• AALR3 R$ 19,67 -0.41
  • AAPL34 R$ 74,65 1.01
  • ABCB4 R$ 16,50 -0.24
  • ABEV3 R$ 14,84 2.06
  • AERI3 R$ 4,03 7.47
  • AESB3 R$ 10,81 1.60
  • AGRO3 R$ 31,49 -1.78
  • ALPA4 R$ 22,04 1.10
  • ALSO3 R$ 19,77 0.41
  • ALUP11 R$ 26,26 0.04
  • AMAR3 R$ 2,30 3.14
  • AMBP3 R$ 29,58 -0.57
  • AMER3 R$ 23,83 3.38
  • AMZO34 R$ 73,23 1.29
  • ANIM3 R$ 5,59 3.90
  • ARZZ3 R$ 82,24 -0.30
  • ASAI3 R$ 15,29 -1.23
  • AZUL4 R$ 21,30 3.00
  • B3SA3 R$ 11,30 -1.48
  • BBAS3 R$ 35,58 1.34
  • AALR3 R$ 19,67 -0.41
  • AAPL34 R$ 74,65 1.01
  • ABCB4 R$ 16,50 -0.24
  • ABEV3 R$ 14,84 2.06
  • AERI3 R$ 4,03 7.47
  • AESB3 R$ 10,81 1.60
  • AGRO3 R$ 31,49 -1.78
  • ALPA4 R$ 22,04 1.10
  • ALSO3 R$ 19,77 0.41
  • ALUP11 R$ 26,26 0.04
  • AMAR3 R$ 2,30 3.14
  • AMBP3 R$ 29,58 -0.57
  • AMER3 R$ 23,83 3.38
  • AMZO34 R$ 73,23 1.29
  • ANIM3 R$ 5,59 3.90
  • ARZZ3 R$ 82,24 -0.30
  • ASAI3 R$ 15,29 -1.23
  • AZUL4 R$ 21,30 3.00
  • B3SA3 R$ 11,30 -1.48
  • BBAS3 R$ 35,58 1.34
Abra sua conta no BTG

Planejamento estratégico de empresas deve ser flexível e objetivo

Revisão periódica e análise de fatores internos e externos estão entre as atividades que proporcionam maior assertividade ao planejamento estratégico
 (Getty Images/illustration)
(Getty Images/illustration)
Por Tallis GomesPublicado em 17/01/2022 16:01 | Última atualização em 17/01/2022 16:01Tempo de Leitura: 5 min de leitura

Por Tallis Gomes

O processo de tomada de decisão pode ser ainda mais conturbado em meio a um contexto de incertezas e nível elevado de complexidade, características que resumem bem 2022, ano que será marcado pela eleição presidencial, Covid-19 – sobretudo em razão da chegada da variante Ômicron – e pelo surto de gripe causado pelo vírus influenza H3N2. É inegável que todas essas variáveis interferem na rota dos negócios, que deve ser traçada previamente e levar em consideração potenciais obstáculos.

Mas nem todos os percalços podem ser previstos, o que demanda flexibilidade do planejamento estratégico. Por isso, revisitá-lo periodicamente se torna uma atividade estratégica para que os resultados provenientes do planejamento sejam positivos e condizentes com as expectativas da organização.

Para alcançar êxito no que diz respeito à formulação de um planejamento atrelado aos BHAGs  (Big Hairy Audacious Goal), há três conceitos que devem ser  levados em consideração: ter o ponto de partida e de chegada bem definidos; entenda em quais condições a empresa precisa alcançar seu objetivo; e, por fim, não deixar o planejamento estratégico mandar na companhia.

Tenha o ponto de partida e o ponto de chegada bem definidos

Nessa fase, as perguntas são de extrema utilidade para direcionar definições prévias: em qual momento a sua empresa se encontra? Como está o fluxo de caixa dela? E a estrutura organizacional? Os produtos e serviços oferecidos por ela continuam atraindo e fidelizando os clientes? Estas são algumas questões – a metodologia é bastante análoga a de uma análise SWOT – que irão determinar o ponto de partida.

Já para estabelecer o destino do negócio, é necessário estabelecer pontos de chegada a curto, médio e longo prazos. Afinal, são as metas mensais que irão contribuir significativamente para que o objetivo do ano seja alcançado, por exemplo.

Enquanto o planejamento de curto prazo foca nas ações micro – ou seja, no campo tático – e altamente gerenciáveis, o de longo prazo deve conter o propósito mais aspiracional e idealista do empreendimento.

Entenda como pode chegar ao seu destino e em quais condições

A estruturação do planejamento estratégico também deve conter os meios para alcançar os resultados, contendo as condições para tanto. Por exemplo: uma empresa tem como meta financeira atingir R$ 100 milhões, mas com qual margem de lucro?

Assim como as condições para obter os resultados, os fatores externos impactam no planejamento e podem mudar tudo. A pandemia de Covid-19, sem dúvidas, é prova disso, pois nenhuma empresa contava com um cenário tão caótico e incerto para desenhar suas ações, passando todas as que aconteceriam presencialmente para o ambiente digital.

Por isso, é extremamente útil analisar indicadores (financeiros, a exemplo da alta do dólar e estimativas de inflação, tendências comportamentais, entre outros que podem ser relevantes para o seu negócio). Estes, certamente, suscitarão insights interessantes, bem como práticos para traçar um planejamento estratégico alinhado ao grau de complexidade da realidade, assim como com potenciais demandas dos stakeholders.

É nessa etapa também que serão mapeadas as ações adequadas, segundo as metas definidas, bem como a matriz de prioridade das mesmas. Uma das questões que deve ser ponderada é: qual delas é impreterível ser realizada no timing correto e quais são atemporais – a data não irá interferir nos resultados?

Um planejamento estratégico é fundamental, pois permite que a organização, os times e cada indivíduo da empresa saibam com clareza para qual direção estão remando, criando sinergia entre as áreas e incentivando o diálogo entre os colaboradores.

Uma dica para traçar o planejamento é criar um modelo para preencher. Clique aqui e faça o download de uma planilha já formatada, que permitirá a otimização desse processo.

Não deixe o planejamento estratégico mandar na sua empresa

Altere ou até mesmo refaça o planejamento quando identificar essa necessidade, pois, definitivamente, ele não é imutável. É simples: se o plano não está dando certo, por que continuar seguindo o mesmo? Além disso, vale compreender os motivos pelos quais ele falhou: desde condições internas e, portanto, controláveis, até os acontecimentos externos, que, na maioria das vezes, fogo do nosso controle.

Lembre-se que o planejamento estratégico é uma ferramenta para a tomada de decisão e é exatamente por isso que ele deve ser acompanhado, revisitado e revisado periodicamente, de modo que rotas e até destinos sejam alterados, garantindo, mais do que a sobrevivência, o crescimento da sua empresa, assim como a chegada até o destino de forma otimizada e nas melhores condições possíveis.

Por se tratar de uma formulação decisiva para orientar o ano da empresa e seus resultados, o G4 Educação, edtech com foco em educação executiva da qual sou Co-founder e Chairman, desenvolveu o programa de Planejamento Estratégico, que foi lançado em janeiro e é segmentado em quatro etapas: Compreensão dos objetivos do negócio; Definição dos Potenciais caminhos estratégicos; Definição de prioridades, KPIs e Necessidades; e Desdobramento tático, operacional e modelagem financeira.

O objetivo é contribuir significativamente para que os participantes desenvolvam de fato o planejamento estratégico de suas empresas a partir dos frameworks, cases e exercícios apresentados ao longo do programa.