Estar com dívidas pode atrapalhar na busca por emprego?

Além das questões emocionais envolvidas no processo, brechas jurídicas podem autorizar empresas a eliminar candidatos que estejam com nome sujo
Uma situação de inadimplência pode sim impactar sua vida profissional, incluindo seu processo de inserção ou reinserção no mercado de trabalho. Portanto, depois desse entendimento, o que você precisa fazer é buscar alternativas para sair da inadimplência e liberar o caminho para seu sucesso profissional. (PeopleImages/Getty Images)
Uma situação de inadimplência pode sim impactar sua vida profissional, incluindo seu processo de inserção ou reinserção no mercado de trabalho. Portanto, depois desse entendimento, o que você precisa fazer é buscar alternativas para sair da inadimplência e liberar o caminho para seu sucesso profissional. (PeopleImages/Getty Images)
M
Meu Acerto

Publicado em 05/11/2021 às 14:59.

Última atualização em 05/11/2021 às 16:08.

Um conteúdo produzido pela Meu Acerto

A missão de quem está em busca de um emprego já é, por si só, bastante desafiadora. A situação fica ainda mais crítica se olharmos para o cenário econômico do país: mais de 14 milhões de pessoas desempregadas e pouco avanço em políticas públicas ou investimentos que poderiam gerar novos empregos.

Quer saber mais sobre empreendedorismo? Inscreva-se gratuitamente para assistir à aula inaugural da shark Carol Paiffer!

Hoje, queremos olhar para esse contexto de forma ainda mais ampla e sob uma perspectiva sobre a qual pouca gente fala: o impacto do endividamento na busca por emprego. Você já tinha ouvido falar ou parado para pensar sobre isso?

Além do desequilíbrio emocional causado por uma situação de inadimplência, que afeta quem está tentando se inserir ou reinserir no mercado de trabalho, pode existir uma relação ainda mais direta entre dívidas e a dificuldade de conseguir emprego.

Uma empresa pode se recusar a contratar um profissional só porque ele está com o nome sujo? Essa é uma das dúvidas que a gente vai ajudar a esclarecer neste artigo. Acompanhe!

Impactos emocionais: como eles afetam sua vida profissional?

A última edição da pesquisa “Global Investor Pulse”, realizada anualmente pela BlackRock, maior gestora de ativos financeiros do mundo, mostrou que, para 58% dos brasileiros, o dinheiro (ou a falta dele) é a principal causa de estresse.

E os dados não param por aí. De acordo com pesquisa realizada pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), 80% das pessoas inadimplentes sofreram impacto emocional negativo por conta das dívidas. Na pesquisa, os entrevistados citaram sentimentos como ansiedade, estresse, irritação, tristeza, desânimo, angústia e vergonha.

E se você ainda não entendeu o que isso tem a ver com sua vida profissional, a gente pode garantir que os impactos são muitos. Os sentimentos relatados acima podem gerar distúrbios e comportamentos como insônia, falta de autoconfiança e desmotivação, que, por sua vez, podem afetar seu desempenho no mercado de trabalho.

Além disso, sentimentos como esses no período em que você está em busca de um emprego podem, por exemplo, te causar uma sensação de desespero, a ponto de você aceitar qualquer proposta de trabalho, sem ter condições emocionais de refletir se ela faz mesmo sentido pra você.

Mas, como já adiantamos, os impactos do endividamento na busca por um emprego podem ser ainda mais diretos — e graves.

O nome sujo pode impedir a contratação de um profissional?

Não é comum que as empresas consultem a situação financeira de um candidato antes da contratação, o que não significa que a prática é proibida. Na verdade, as empresas até têm o direito de consultar a situação do seu CPF nos órgãos de proteção ao crédito. Mas, eliminar um profissional de um processo seletivo por conta de negativação é considerada, pelo Ministério Público do Trabalho, uma prática discriminatória.

Vale ressaltar que, até 2010, a Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT) autorizava as instituições financeiras a dispensar candidatos inadimplentes e até mesmo demitir por justa causa funcionários com dívidas em aberto. O artigo que tratava do tema, no entanto, foi revogado em 2010 e, desde então, essa prática passou a ser proibida. Mas, assim como toda regra, essa também tem exceções.

Em 2012, um profissional entrou com uma ação na Justiça contra uma empresa do segmento varejista, alegando ter sido discriminado no processo seletivo por conta de sua situação financeira. Em uma decisão até então inédita, o Tribunal Superior do Trabalho deu ganho de causa ao empregador, sob a justificativa de que a vaga em questão demandava controle das finanças da empresa e que, por isso, o candidato não estava apto a exercer a função.

Mas, como dissemos, essa foi uma exceção — que, infelizmente, acaba abrindo precedentes jurídicos para outras decisões como essa. De toda forma, os profissionais têm respaldo legal para acionar, judicialmente, empresas que adotam essa prática discriminatória. As sentenças podem variar, mas os candidatos que conseguem comprovar a discriminação perante a Justiça podem ser indenizados pelo ato.

Situação dos jovens em relação a nome sujo

Os impactos do endividamento na busca por um emprego tornam-se ainda mais críticos se olharmos para a situação financeira dos jovens brasileiros. De acordo com a pesquisa realizada pelo SPC e pela CNDL, atualmente, quatro a cada dez jovens brasileiros com idade entre 18 e 24 anos estão ou já estiveram com o nome negativado nos órgãos de proteção ao crédito.

Se a inadimplência é uma realidade para os jovens que estão no início de sua vida profissional ou prestes a entrar no mercado de trabalho, a relação entre o endividamento e a vida profissional precisa ser olhada com ainda mais cuidado. E é preciso ir além dos dados, não só para entender a situação, mas também para buscar alternativas para revertê-las.

Como minimizar os efeitos do endividamento na busca por emprego?

Como você deve ter entendido até aqui, direta ou indiretamente, uma situação de inadimplência pode sim impactar sua vida profissional, incluindo seu processo de inserção ou reinserção no mercado de trabalho. Portanto, depois desse entendimento, o que você precisa fazer é buscar alternativas para sair da inadimplência e liberar o caminho para seu sucesso profissional.

O primeiro passo você já deve imaginar qual é: pesquisar opções para negociar suas pendências financeiras. Hoje, esse processo pode ser feito de forma simples e sem burocracia, por meio de empresas que oferecem soluções para negociação online de dívidas. A partir de uma consulta imediata às pendências vinculadas ao seu CPF, você pode verificar as opções de negociação disponíveis para você e escolher uma proposta que se encaixa na sua realidade financeira atual — tudo isso, direto pelo computador ou celular, sem precisar falar com nenhum atendente

Mas caso você não esteja em condições de negociar seus débitos agora, não se preocupe: existem outras medidas que você pode adotar, desde já, para sair dessa situação. Uma boa dica é acompanhar conteúdos relacionados à educação financeira, buscando informações que podem te ajudar a virar esse jogo. Dicas de economia, orientações para fazer um planejamento financeiro simples e recomendações de produtos e serviços financeiros adequados ao seu perfil podem ser grandes aliados nesse momento, para que você consiga se organizar e alcançar a tão sonhada tranquilidade financeira.

Por fim, lembre-se de encontrar formas de aliviar o estresse causado pelo endividamento, seja falando mais sobre o assunto com alguém de confiança, buscando ajuda profissional ou adotando práticas relacionadas à meditação e atividade física. Acredite: cuidar da sua saúde mental também é cuidar da saúde do seu bolso.

Quais são as tendências entre os empreendedores do Brasil e do mundo? Assine a EXAME e saiba mais.