Exame.com
Continua após a publicidade

Fit Cultural: Como realizar uma contratação de forma eficiente e sem erro?

Uum dos principais focos das lideranças do RH é encontrar talentos certos para construir uma empresa de destaque no mercado

Uma contratação é uma via de mão dupla para candidatos e recrutadores.  (izkes/iStockphoto)
Uma contratação é uma via de mão dupla para candidatos e recrutadores. (izkes/iStockphoto)

Cada vez mais valorizado no mundo corporativo, o fit cultural se tornou essencial para que as empresas consigam manter seus talentos motivados, produtivos e que permaneçam por mais tempo na empresa, pois eles estão alinhados com os valores, princípios e comportamentos que condizem com a organização. De acordo com um estudo realizado pela Universidade da Califórnia, colaboradores felizes tendem a ser, em média, 31% mais produtivos e três vezes mais criativos. Em contrapartida, os conflitos culturais são responsáveis por mais de 60% das demissões, analisou a CompanyMatch.

“Nos últimos anos, houve uma ruptura no que se refere ao diferencial competitivo no mercado. O que diferencia uma empresa da outra não é apenas a tecnologia e a essência inovadora que a empresa dispõe. O diferencial competitivo está nas pessoas que estão construindo a operação e por conta disso, as empresas precisam ter cada vez mais certeza daquilo que elas valorizam para buscar as pessoas certas", explica Maíra Niegski, Gerente de Gente e Cultura da iugu, empresa de tecnologia para gestão e automatização de operações financeiras. A iuguer, como são chamados os colaboradores da empresa, lidera as frentes de gente, cultura, aprendizagem e desenvolvimento, aquisição de talentos e comunicação interna da iugu, que possui mais de 250 colaboradores. 

Niegski revela que um dos principais focos das lideranças do RH é encontrar talentos certos para construir uma empresa de destaque no mercado, por meio da criação e manutenção de uma equipe engajada, unida, diminuindo os gastos com rotatividade e danos de instabilidade interna entre os colaboradores. Não é um diagnóstico novo, mas a profissional revela que o mercado tem se adaptado a essas dores e criado novos mecanismos para fortalecer o time, reduzir turnover e reforçar o ambiente de trabalho como um espaço propício para o desenvolvimento dos colaboradores, da sua produtividade e crescimento da organização. Por isso, Maira Niegski revela que a identificação do fit cultural no momento do recrutamento é crucial para que a jornada do colaborador seja proveitosa. Por isso, identificou cinco passos importantes para saber se o candidato é ideal ou não para a empresa:

  1. Diagnóstico: Antes de buscar o Fit Cultural em candidatos, a organização precisa descobrir qual é a sua cultura organizacional, para entender o que quer do colaborador. A busca de pessoas certas começa pelo entendimento do que a empresa precisa.
  2. Método: Depois de analisar melhor a cultura organizacional da empresa, é necessário escolher um método de avaliação que esteja alinhado com as competências buscadas, para criar o Fit Cultural. "Aqui na iugu, temos um formulário que nos direciona com perguntas associadas às competências e fornece uma escala de aderência para cada um dos valores, a partir da conversa com o(a) recrutador(a). Ele ajuda a entender se o candidato tem aderência aos valores e necessidades da empresa. Além disso, a maior parte do processo é ouvir histórias passadas, pois a partir delas conseguimos pressupor um comportamento futuro”, comenta a gerente de Gente e Cultura da iugu. 
  3. Consistência: É importante frisar que cada empresa é uma empresa e, por isso, é importante ter consistência com as necessidades da sua instituição. Ao invés de seguir integralmente as práticas "em alta" do mercado, a empresa deve identificar o que é realmente importante para ela e encontrar candidatos que se alinhem a esses critérios. Dessa forma, é mais provável que os novos funcionários se integrem bem e contribuam efetivamente para a organização.
  4. Engajamento: Mesmo após a contratação de funcionários com o Fit Cultural, é imprescindível manter o engajamento de cada colaborador. Além de não contribuir de forma efetiva em sua posição, a falta de engajamento pode afetar a motivação e o desempenho das demais pessoas da equipe. Isso pode levar a um ambiente de trabalho desfavorável e diminuir a produtividade geral.
  5. Monitoramento: Por último, é imprescindível monitorar o engajamento, clima e cultura organizacional. Isso permite que a empresa compreenda suas necessidades, crie planos de ação e busquem novos perfis de funcionários. Por meio de pesquisas de clima, avaliações de engajamento e feedback regular dos colaboradores, é possível identificar pontos fortes e fracos da organização, detectar problemas potenciais e implementar ações corretivas. Esse monitoramento contínuo também ajuda a manter os processos de recrutamento atualizados e alinhados às demandas de cada momento da empresa.

        “Processos seletivos assim tendem a ser mais longos, mas são eles que vão mostrar realmente quem está alinhado com os valores e cultura da empresa e fazer uma boa contratação, para que, futuramente, não haja necessidade de fazer novos processos seletivos devido a baixa rotatividade que o fit cultural proporciona”, finaliza Maira.