Ciência

Vacina contra covid da GSK e Sanofi tem bons resultados em testes finais

Imunizante de duas doses apresentou 100% de eficácia contra casos graves da doença e internações

Vacinação: imunizante mudou a história da covid-19. (Brendan McDermid/Reuters)

Vacinação: imunizante mudou a história da covid-19. (Brendan McDermid/Reuters)

AO

Agência O Globo

Publicado em 25 de fevereiro de 2022 às 09h33.

As farmacêuticas Sanofi e GSK anunciaram resultados positivos de testes clínicos em estágio avançado da vacina que estão desenvolvendo em conjunto contra a Covid-19. As empresas pretendem buscar autorização de uso nos EUA e na Europa.

Com o possível nome de Vidprevtyn, a vacina utiliza a tecnologia de subunidade de proteína. Isso significa que são usados fragmentos de proteína inofensivos que ensinam o sistema imunológico a detectar e combater o coronavírus.

Entenda como o avanço da vacinação afeta seus investimentos. Aprenda com a EXAME Academy

Vacinas desse tipo podem ser armazenadas em geladeiras, o que facilita o uso em regiões de difícil acesso ou que não possuem condições de armazenamento em baixíssimas temperaturas.

O imunizante é administrado em duas doses, com cerca de três semanas de intervalo. O estágio final do estudo envolveram mais de 10 mil adultos nos EUA, Ásia, África e América Latina. Um estudo separado está avaliando uma terceira dose da vacina como reforço.

VEJA TAMBÉM:

Por que o número de mortes por covid segue alto no Brasil?

Por que algumas pessoas não pegam covid mesmo tendo contato com um doente?

Após o esquema vacinal de duas doses, os resultados apontaram que o imunizante foi 58% eficaz na prevenção de sintomas de Covid-19; 75% eficaz na proteção contra doença moderada; e 100% na prevenção de doença grave, incluindo hospitalizações.

As empresas disseram que a vacina teve um bom desempenho por conta própria e também como um reforço, aumentando os anticorpos neutralizantes em 18 a 30 vezes quando aplicada em pessoas que receberam vacinas da Pfizer, Moderna, Janssen e AstraZeneca. Os fabricantes dizem que não houve problemas de segurança identificados nos testes.

Acompanhe tudo sobre:CoronavírusPandemiaSanofiVacinas

Mais de Ciência

'Saquinho' de nicotina ganha adeptos para perda de peso

Usuários do Wegovy mantêm perda de peso por quatro anos, diz Novo Nordisk

Meteoros de rastros do Halley podem ser vistos na madrugada de domingo

AstraZeneca admite efeito colateral raro da vacina contra covid-19

Mais na Exame