Ciência

Cientistas de Portugal criam vacina comestível contra a covid-19

Imunizante comestível está em fase de testes e pode ser viabilizado dentro de seis meses a um ano, segundo pesquisadores do Instituto Politécnico do Porto

O imunizante poderia ser ingerido em formato de iogurte ou suco de frutas (PhonlamaiPhoto/Getty Images)

O imunizante poderia ser ingerido em formato de iogurte ou suco de frutas (PhonlamaiPhoto/Getty Images)

AO

Agência O Globo

Publicado em 12 de novembro de 2021 às 11h41.

Uma equipe de cientistas do Instituto Politécnico do Porto (IPP), em Portugal, está desenvolvendo uma vacina comestível contra a Covid-19. O imunizante poderia ser ingerido em formato de iogurte ou suco de frutas.

A ideia, que surgiu ainda no início da pandemia, começou a avançar há cerca de seis meses. Prestes a finalizarem os ensaios in vitro, os cientistas planejam começar em breve os testes em animais, entre eles ratos, peixeis e uma espécie pequena de minhoca.

Segundo o biólogo Rúben Fernandes, um dos responsáveis pelo Laboratório de Biotecnologia Médica e Industrial (LaBMI do IPP), a particularidade do imunizante é ter por base plantas de frutos e probióticos geneticamente modificados - micro-organismos vivos benéficos à saúde humana. O pesquisador afirmou à agência Lusa que o projeto é "completamente inovador em Portugal".

O objetivo do projeto, de acordo com a equipe, é que a vacina chegue facilmente ao usuário final. Os cientistas apontam que os imunizantes que estão sendo aplicados atualmente no mundo estimulam a neutralização do coronavírus, enquanto o que está em desenvolvimento teria outra propriedade visando a imunidade.

- Ambos são produtos preventivos, mas, neste caso, a vacina, vou dizer convencional, neutraliza uma infecção e as vacinas comestíveis têm a propriedade de poderem potenciar as outras vacinas comuns - disse Fernandes à Lusa.

A expectativa dos pesquisadores é viabilizar a vacina entre seis meses e um ano, se usados apenas os probióticos. No caso dos frutos, a tendência é que demore mais, já que as plantas precisam crescer para que possam ser usados na indústria e transformados em suco.

Embora o foco seja na Covid-19, cientistas acreditam que, no futuro, a vacina possa interessar também para prevenção de outras doenças infecciosas.

Acompanhe tudo sobre:AlimentosCoronavírusPortugalVacinas

Mais de Ciência

Virgin Galactic faz último voo espacial antes de um hiato de dois anos

Gel pode virar tratamento contraceptivo para homens

Beber álcool antes de dormir no avião traz risco para a saúde, revela estudo

Painel da FDA rejeita MDMA para tratar estresse pós-traumático

Mais na Exame