Exame logo 55 anos
Remy Sharp
Acompanhe:

Telescópio Hubble fotografa paisagem de 'nuvens celestiais' na Nebulosa de Órion

Localizada a uma distância de cerca de 1.000 anos-luz da Terra, a região é cheia de poeira e gás, onde milhares de estrelas estão se formando

Modo escuro

Nuvens celestiais no entorno de Herbig-Haro HH 505: o objeto celestial fica nos arredores da Nebulosa de Órion, a cerca de 1.000 anos-luz da Terra (ESA/NASA/Reprodução)

Nuvens celestiais no entorno de Herbig-Haro HH 505: o objeto celestial fica nos arredores da Nebulosa de Órion, a cerca de 1.000 anos-luz da Terra (ESA/NASA/Reprodução)

E
Estadão Conteúdo

Publicado em 14 de agosto de 2022, 15h37.

Última atualização em 14 de agosto de 2022, 15h38.

Pode até parecer uma obra de arte, pintada com cuidado, mas, na verdade, se trata de uma imagem do telescópio espacial Hubble, antecessor do James Webb. As agências espaciais americana (Nasa) e europeia (ESA) divulgaram na sexta-feira, 12, uma paisagem de “nuvens celestiais” em torno do objeto Herbig-Haro HH 505, na Nebulosa de Órion, do observatório de mais de 30 anos.

Lançado em 1990, o Hubble superou todas as expectativas e segue “vivo”. Em três décadas, fez mais de 1,5 milhão de observações e suas descobertas motivaram a publicação de 19 mil artigos científicos, conforme a Nasa. O observatório olhou para o passado distante do nosso universo, para locais a mais de 13,4 bilhões de anos-luz da Terra.

VEJA TAMBÉM: Buraco negro de massa estelar "adormecido" é descoberto

A Nasa explica que objetos Herbig-Haro são regiões luminosas ao redor de estrelas recém-nascidas, que se formam quando ventos estelares ou jatos de gás são expelidos delas, criando ondas de choque que colidem com gás e poeira próximos em altas velocidades. “No caso de HH 505, esses fluxos se originam da estrela IX Ori, que fica nos arredores da Nebulosa de Órion, a cerca de 1 mil anos-luz da Terra”, informou.

A Nebulosa de Órion é um berçário estelar - uma região cheia de poeira e gás, onde milhares de estrelas estão se formando. Por ser a mais próxima da Terra, tornou-se uma das áreas massivas de formação de estrelas mais examinadas. Em 2018, a Nasa publicou uma “viagem” pela nebulosa propiciada pelas lentes do Hubble.

O mês passado foi particularmente agitado para a agência americana. A Nasa divulgou as possíveis datas da missão Artemis I - que vai retornar à Lua -, além das primeiras imagens captadas pelo telescópio espacial James Webb. Também exibiu fotos de Júpiter tiradas pelo mesmo observatório e ainda teve as capitais brasileiras como modelos fotográficos da estação espacial internacional (ISS).

Últimas Notícias

ver mais
Covid mata uma pessoa a cada 4 minutos com queda de vacinação
Ciência

Covid mata uma pessoa a cada 4 minutos com queda de vacinação

Há 9 horas
HPV e câncer: entenda a relação e a importância da prevenção
Ciência

HPV e câncer: entenda a relação e a importância da prevenção

Há 16 horas
Medo de ficar gripado? Saiba evitar doenças respiratórias no outono e no inverno
Ciência

Medo de ficar gripado? Saiba evitar doenças respiratórias no outono e no inverno

Há um dia
Café faz mal? Veja cinco benefícios da bebida para a saúde
Ciência

Café faz mal? Veja cinco benefícios da bebida para a saúde

Há um dia
icon

Branded contents

ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

leia mais