Ciência

Projeto Sirius deve inaugurar primeiras estações de pesquisa este semestre

O acelerador de partículas representa um investimento de R$ 1,8 bilhão e pode mudar a forma como a comunidade científica encara o Brasil

Projeto Sirius: acelerador de partículas é um dos projetos mais ambiciosos da ciência brasileira (Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM)/Divulgação)

Projeto Sirius: acelerador de partículas é um dos projetos mais ambiciosos da ciência brasileira (Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM)/Divulgação)

AB

Agência Brasil

Publicado em 4 de março de 2020 às 08h14.

O Projeto Sirius - o maior acelerador de elétrons do mundo - deve inaugurar o funcionamento das primeiras 13 estações de pesquisa ainda neste semestre. A Agência Brasil visitou as instalações do imenso laboratório para compreender as atividades desenvolvidas com o uso da luz síncrotron - um espectro de luz especial que só pode ser obtida através da aceleração de elétrons a uma velocidade que beira a velocidade da luz.

Engenheiros, físicos, matemáticos, biólogos e uma equipe massiva de entusiastas de ciência estão envolvidos no comissionamento do Projeto Sirius. Localizado em Campinas, no interior do estado de São Paulo, o projeto representa um investimento de R$ 1,8 bilhão, e pode mudar a forma como a comunidade científica encara o Brasil.

 

As pesquisas são feitas nas áreas de saúde, combustíveis, materiais, energia, química, física e em incontáveis experimentos de equipes altamente especializadas que criam propostas de estudo com a tecnologia de ponta aplicada no laboratório.

“O Brasil tem todo o potencial para ocupar uma posição na ciência bastante respeitada. O país precisa da atividade científica, isso deve ser prioridade. No Sirius, pesquisadores, físicos teóricos, engenheiros e técnicos desenham e projetam conhecimento que transborda para todas as áreas da ciência. Estamos dominando um conjunto de técnicas e soluções extremamente avançadas”, afirmou Antônio José Roque da Silva, diretor do projeto Sirius.

Acompanhe tudo sobre:CampinasPesquisas científicas

Mais de Ciência

Raiva pode prejudicar cérebro, coração e sistema gastrointestinal, mostra estudo

Cientistas descobrem planeta com temperatura similar à da Terra e potencialmente habitável

Ozempic reduz risco de morte para pessoas com diabetes, revela estudo

Einstein estava certo sobre a gravidade em buracos negros, diz estudo

Mais na Exame