Acompanhe:

ONU prepara plataforma para monitorar gases de efeito estufa

O projeto foi aprovado na semana passada durante reunião do conselho executivo da Organização Meteorológica Mundial (OMM)

Modo escuro

Continua após a publicidade
Frigorifico em San Juan de los Lagos, México: com mais de 1,4 bilhão de vacas no mundo, a pecuária é responsável por quase 10% de todos os gases de efeito estufa gerados pela atividade humana (Jeoffrey Guillemard/Getty Images)

Frigorifico em San Juan de los Lagos, México: com mais de 1,4 bilhão de vacas no mundo, a pecuária é responsável por quase 10% de todos os gases de efeito estufa gerados pela atividade humana (Jeoffrey Guillemard/Getty Images)

A agência meteorológica das Nações Unidas anunciou nesta segunda-feira, 6, que deu um passo significativo para a criação de uma plataforma que permitirá um melhor monitoramento dos gases de efeito de estufa, responsáveis pelo aquecimento global. 

O objetivo da plataforma é oferecer dados desagregados sobre essas emissões, o que ajudaria a elaborar políticas mais eficientes para reduzi-las ou limitá-las.

Os três principais gases de efeito estufa são o dióxido de carbono (CO2), o metano (CH4) e o óxido nitroso (N2O).

O projeto foi aprovado na semana passada durante reunião do conselho executivo da Organização Meteorológica Mundial (OMM), mas ainda precisa da aprovação de seu congresso, que acontecerá em maio em Genebra.

"Atualmente, sabemos o excesso de CO2 que liberamos a cada ano na atmosfera. Temos dados globais", disse Lars Peter Riishojgaard, vice-diretor do departamento de infraestrutura da OMM, em entrevista coletiva.

Mas "todos podem dizer 'não sou eu, minha empresa é neutra em carbono' ou se for um país, pode dizer 'reduzi tanto e tanto minhas emissões no ano passado'", explicou.

A ONU busca acabar com essa situação por meio de um banco de dados atualizado mensalmente, que permitirá examinar em um mapa a origem das emissões e o local onde são lançadas. Até agora, os dados globais eram publicados anualmente.

A organização internacional espera ainda que contribua para uma melhor aplicação dos objetivos do Acordo de Paris de 2015, que visam limitar o aquecimento global a um máximo de 1,5ºC.

"Graças aos nossos dados, sabemos que as concentrações de gases de efeito estufa na atmosfera estão em um nível recorde", afirmou o secretário-geral da OMM, Petteri Taalas, em comunicado.

"O aumento dos níveis de CO2 entre 2020 e 2021 foi superior à taxa média de crescimento da última década. O metano registrou o maior aumento anual" desde que os dados começaram a ser monitorados.

Mas as incertezas permanecem, "particularmente em relação ao papel do oceano, da biosfera terrestre e das áreas de permafrost no ciclo do carbono", disse Taalas.

A OMM tem 193 Estados e Territórios membros. Seu conselho executivo reúne mais de 30 países, incluindo Brasil, Estados Unidos, China, Rússia e Índia.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Após ataque do Irã a Israel, Conselho de Segurança da ONU e G7 se reúnem para discutir conflito
Mundo

Após ataque do Irã a Israel, Conselho de Segurança da ONU e G7 se reúnem para discutir conflito

Há 2 dias

Crise no Haiti: ONU diz que quase 100 mil pessoas fugiram de Porto Príncipe por violência de gangues
Mundo

Crise no Haiti: ONU diz que quase 100 mil pessoas fugiram de Porto Príncipe por violência de gangues

Há 3 dias

Oceanos mais quentes levantam dúvida: subestimamos as mudanças climáticas?
ESG

Oceanos mais quentes levantam dúvida: subestimamos as mudanças climáticas?

Há 4 dias

México pede ao Tribunal de Haia que Equador seja suspenso da ONU
Mundo

México pede ao Tribunal de Haia que Equador seja suspenso da ONU

Há 4 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais