Ciência

OMS pede atenção para nova inflamação misteriosa em crianças

Doença pode estar ligada ao novo coronavírus; OMS pede que equipes médicas reportem casos com urgência

Covid-19: nova síndrome vista em crianças e adolescentes pode estar ligada ao novo coronavírus (Juan Carlos Ulate/Reuters)

Covid-19: nova síndrome vista em crianças e adolescentes pode estar ligada ao novo coronavírus (Juan Carlos Ulate/Reuters)

Guilherme Dearo

Guilherme Dearo

Publicado em 17 de maio de 2020 às 11h06.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) emitiu um comunicado na última sexta-feira (15) alertando que equipes médicas fiquem atentas a uma nova inflamação misteriosa que está afetando crianças e adolescentes e pode estar ligada ao novo coronavírus.

A doença, chamada de síndrome multi-inflamatória, é parecida com a síndrome de choque tóxico. Segundo a OMS, é grave, requer cuidados intensivos e pode ser fatal. Os sintomas incluem alergia, problemas cardíacos, problemas de coagulação no sangue, vômito, diarréia e dor abdominal.

O nome provisório da doença, proposto por alguns pesquisadores, é PIMS-TS, sigla para o nome em inglês, que seria "Síndrome Pediátrica Inflamatória Multisistêmica Temporariamente Associada ao SARS-CoV-2".

Análises preliminares de médicos indicam que a doença surge em pessoas entre 0 e 19 anos que foram expostas ao Covid-19.

A OMS alertou que médicos ao redor do mundo devem mandar com urgência dados coletados para ajudar pesquisadores a entenderem a doença e desenvolverem um tratamento.

Alerta do CDC

O órgão americano Centres for Disease Control and Prevention (Centro para Controle e Prevenção de Doenças) também emitiu comunicado alertando para a doença que pode estar ligada ao coronavírus.

Os sintomas são parecidos com a Doença de Kawasaki, recém-identificada por cientistas. A síndrome inflamatória tem afetado crianças abaixo de cinco anos e afeta as paredes das artérias. Ela tem afetado cerca de uma criança a cada dez mil e já há casos fatais observados. A síndrome foi relatada primeiro em abril por pesquisadores britânicos.

Acompanhe tudo sobre:CoronavírusDoençasOMS (Organização Mundial da Saúde)

Mais de Ciência

Ozempic ajuda na redução de consumo de tabaco e álcool, indica relatório

Cobertura vacinal contra gripe atinge apenas 21% no Brasil; municípios intensificam campanhas

Nova espécie de dinossauro que viveu na Bahia é identificada

Qual o melhor horário para se exercitar? Estudo responde

Mais na Exame