Ciência

Moderna: melhor cenário é resultado em outubro e vacina a todos em abril

A farmacêutica americana está na fase avançada de testes e tem expectativas positivas na criação de vacina contra o coronavírus

Vacina contra coronavírus: projetos estão em estágio avançado de testes em humanos (Dado Ruvic/Reuters)

Vacina contra coronavírus: projetos estão em estágio avançado de testes em humanos (Dado Ruvic/Reuters)

Lucas Agrela

Lucas Agrela

Publicado em 27 de julho de 2020 às 18h53.

Última atualização em 27 de julho de 2020 às 19h53.

A Moderna, empresa de biotecnologia americana, iniciou nesta segunda-feira (27) a terceira fase de testes com 30.000 voluntários da nova vacina contra o coronavírus, causador da covid-19. Enquanto o mundo espera por uma vacina que ponha fim às medidas de distanciamento social, Stéphane Bancel, presidente da Moderna, concedeu uma entrevista ao site americano Business Insider e informou que sua expectativa é de que a empresa saberá até outubro se seu projeto funcionará ou não para proteger humanos contra a infecção pelo novo coronavírus. 

A previsão de Bancel, entretanto, é para o melhor dos cenários, onde nada dará errado com os testes que estão em curso atualmente, nem haja nenhum contratempo. 

Com uma vacina aprovada, seja da Moderna ou de outras empresas que estão em fase três de testes, como a Pfizer e a AstraZeneca, Bancel diz esperar que pessoas jovens e saudáveis comecem a receber a imunização no segundo trimestre de 2021, a partir de abril -- nos Estados Unidos, sem previsão para o Brasil por ora. Até lá, as pessoas que pertencem a grupos de risco, como pessoas idosas, hipertensas e obesas, terão recebido a vacina com prioridade, até dezembro. Se houver atraso, as pessoas saudáveis devem receber a vacina entre o terceiro e quarto trimestre de 2021.

O órgãos de saúde do governo dos Estados Unidos pedem que uma vacina contra a covid-19 seja ao menos 50% eficaz contra a infecção pelo coronavírus. Bancel estima que a vacina da Moderna tenha cerca de 80% de chances de atingir esse marca. No entanto, vale notar que não está claro o quanto essa vacina irá gerar uma resposta imunológica protetora no organismo dos pacientes. 

Vale lembrar que a Moderna espera produzir 500 milhões de doses por ano. 

Otimismo demais?

Jim Cramer, apresentador do programa Mad Money, da CNBC, pediu cautela a investidores apesar das declarações do presidente da Moderna. 

Cramer lembrou da complexidade de criar uma vacina contra a covid-19 e disse que a Moderna pode estar sendo otimista demais sobre seu projeto de vacina.

Pfizer e BioNTech começam última etapa de testes em humanos

A farmacêutica americana Pfizer e a empresa alemã de biotecnologia BioNTech começaram hoje a última etapa de testes em humanos do seu projeto de vacina contra o novo coronavírus. 

Estarão envolvidas no teste mais de 30.000 pessoas com idades entre 18 e 85 anos em 120 locais diferentes no mundo. A expectativa das empresas também é de submeter a vacina para aprovação regulatória no mês de outubro deste ano.  

Acompanhe tudo sobre:CoronavírusDoençasDoenças respiratóriasModernaSaúdevacina contra coronavírusVacinas

Mais de Ciência

Colisão de asteroides é flagrada pelo telescópio James Webb

Componente de protetores solarares encontrado em alimentos gera preocupação nos EUA

Nova promessa de tratamento para Alzheimer avança nos EUA. Como o medicamento funciona?

Por que uma dieta baseada em vegetais nem sempre é saudável?

Mais na Exame