Ciência

Como deve funcionar a usina solar espacial planejada pela China

Instalação pode gerar, em tese, energia em 99% do tempo, com até seis vezes mais eficiência do que uma usina em terra

 (NASA/Divulgação)

(NASA/Divulgação)

GG

Gustavo Gusmão

Publicado em 24 de fevereiro de 2019 às 07h01.

Última atualização em 24 de fevereiro de 2019 às 07h01.

São Paulo — A China anunciou nesta semana que está trabalhando em uma iniciativa um tanto quanto inusitada: uma usina solar no espaço. A ideia é otimizar a coleta de luz do Sol, captando-a antes que ela se dissipe na atmosfera da Terra. A instalação pode gerar, em tese, energia em 99% do tempo, com até seis vezes mais eficiência do que uma usina em terra, conforme estimou um pesquisador da academia chinesa de tecnologia espacial ao jornal local Science and Technology Daily. Mas o plano parece até coisa de ficção científica.

Construir uma usina solar no espaço não é uma ideia exatamente nova. Como lembra uma reportagem do site Nature, Estados Unidos e Japão já flertaram com essa ideia. Mas não é barato — e nem fácil —  enviar uma instalação do tipo para o espaço, já que ela poderia facilmente pesar mais de 1.000 toneladas. A Estação Espacial Internacional, para efeito de comparação, tem menos da metade disso.

Por isso, os pesquisadores chineses envolvidos no projeto pensam em usar um grupo de robôs e impressão 3D para construir a usina final diretamente no espaço. Soa surreal, mas o plano é de longo prazo e há tempo para a tecnologia necessária ser desenvolvida. A China só pretende começar a obra final em algum momento entre 2030 e 2050.

Antes de operar no espaço, o objetivo é primeiro testar tecnologias para transmissão de energia sem fio, mantendo a alta voltagem, segundo reportagem do jornal australiano The Sydney Morning Herald. A proposta chinesa é enviar a eletricidade gerada pela usina por meio de micro-ondas ou até mesmo raios laser para uma base na Terra, e aí sim distribuí-la. Não é algo impossível de se fazer, apesar de ser bastante complexo, como já argumentaram pesquisadores do California Institute of Technology (Caltech) em 2016.

A pesquisa deve se estender pelos próximos dez anos, na previsão dos chineses, e envolver a construção e lançamento de uma usina de teste de pequeno porte ainda na década de 2020. Feito isso, o passo seguinte, a ser dado a partir de 2030, é montar um modelo um pouco maior para continuar testando a eficiência do projeto. Concluídos os testes, aí sim será a hora de começar a construir a usina gigante — para concluí-la antes de 2050, se tudo der certo.

Acompanhe tudo sobre:ChinaEnergia renovávelEnergia solarGeração de energia

Mais de Ciência

Ozempic reduz risco de morte para pessoas com diabetes, revela estudo

Einstein estava certo sobre a gravidade em buracos negros, diz estudo

'Saquinho' de nicotina ganha adeptos para perda de peso

Usuários do Wegovy mantêm perda de peso por quatro anos, diz Novo Nordisk

Mais na Exame