Estamos de cara nova! E continuamos com o conteúdo de qualidade.
Nova Exame

Como a vacina da Johnson & Johnson contra a covid-19 se diferencia das demais

Ao contrário dos demais imunizantes aprovados até o momento, o da J&J é administrado em apenas uma dose

Nesta sexta-feira, 29, a farmacêutica americana Johnson & Johnson afirmou que sua vacina contra o novo coronavírus tem uma eficácia de 66%. Ao contrário dos demais imunizantes aprovados até o momento, o da J&J é administrado em apenas uma dose – o que pode facilitar as campanhas de vacinação ao redor do mundo.

Mas, além da dose única, como a vacina da Johnson & Johnson se diferencia das demais?

Do que a vacina é feita?

A vacina da companhia é baseada no adenovírus – assim como a de Oxford com a AstraZeneca e a do Instituto Gamaleya. Nessa tecnologia, o adenovírus (grupo de vírus que causam doenças respiratórias) é unido ao material genético das proteínas da espícula do coronavírus (que são usadas pelo vírus para infectar as células humanas).

E o transporte da vacina?

O imunizante da J&J podendo ser armazenada em geladeiras comuns por até três meses, ao contrário das vacinas da Pfizer/BioNTech e da Moderna, que usam a tecnologia do RNA mensageiro (mRNA) e que precisam ser mantidas em graus negativos, o que pode facilitar o seu transporte para outros países.

Por que a dose única pode tornar as campanhas de vacinação mais simples?

Ao contrário das vacinas CoronaVac, da Pfizer/BioNTech e da Moderna, a vacina da J&J tem uma eficácia superior a 50% logo na primeira dose.

Isso deve facilitar a vacinação porque, em casos de duas doses, as pessoas podem acabar se esquecendo de tomar a segunda ou achar que estão seguras logo após a aplicação da primeira – o que não é verdade. Uma vacina de dose única, no entanto, evita esse tipo de problema.

Em um comunicado, o vice-diretor do braço científico da Johnson afirmou que "uma vacina de uma dose é considerada a melhor opção pela OMS em uma pandemia porque aumenta o acesso, a distribuição e a conformidade."

Qual a eficácia da vacina contra as novas variantes do vírus?

A eficácia da vacina apresentou uma variação nos locais em que foi testada. Nos Estados Unidos, ela teve 72% de eficácia, 66% na América Latina e 57% na África do Sul – o que pode indicar que o imunizante não funciona tão bem contra as novas variantes.

Em relação a casos severos, a vacina teve uma eficácia de 85% em todas as regiões do estudo após 28 dias da vacinação. Não aconteceram casos de reações severas depois da administração do imunizante.

Na tarde desta quinta-feira, 28, a americana Novavax também anunciou os resultados da eficácia de sua vacina (89,3%) e afirmou que ela não tem eficácia tão alta contra a cepa encontrada no país africano, aumentando a preocupação com as vacinas já aprovadas no mundo todo.

Isso não significa que as vacinas não funcionam, mas sim que elas precisarão ser atualizadas frequentemente – quase como a da gripe.

 

De 0 a 10 quanto você recomendaria Exame para um amigo ou parente?

 

Clicando em um dos números acima e finalizando sua avaliação você nos ajudará a melhorar ainda mais.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também