Ciência

Como a vacina da Johnson & Johnson contra a covid-19 se diferencia das demais

Ao contrário dos demais imunizantes aprovados até o momento, o da J&J é administrado em apenas uma dose

J&J: vacina é administrada em apenas uma dose (Michael Ciaglo/Getty Images)

J&J: vacina é administrada em apenas uma dose (Michael Ciaglo/Getty Images)

Tamires Vitorio

Tamires Vitorio

Publicado em 30 de janeiro de 2021 às 09h03.

Última atualização em 1 de fevereiro de 2021 às 15h44.

Nesta sexta-feira, 29, a farmacêutica americana Johnson & Johnson afirmou que sua vacina contra o novo coronavírus tem uma eficácia de 66%. Ao contrário dos demais imunizantes aprovados até o momento, o da J&J é administrado em apenas uma dose – o que pode facilitar as campanhas de vacinação ao redor do mundo.

Mas, além da dose única, como a vacina da Johnson & Johnson se diferencia das demais?

Do que a vacina é feita?

A vacina da companhia é baseada no adenovírus – assim como a de Oxford com a AstraZeneca e a do Instituto Gamaleya. Nessa tecnologia, o adenovírus (grupo de vírus que causam doenças respiratórias) é unido ao material genético das proteínas da espícula do coronavírus (que são usadas pelo vírus para infectar as células humanas).

E o transporte da vacina?

O imunizante da J&J podendo ser armazenada em geladeiras comuns por até três meses, ao contrário das vacinas da Pfizer/BioNTech e da Moderna, que usam a tecnologia do RNA mensageiro (mRNA) e que precisam ser mantidas em graus negativos, o que pode facilitar o seu transporte para outros países.

Por que a dose única pode tornar as campanhas de vacinação mais simples?

Ao contrário das vacinas CoronaVac, da Pfizer/BioNTech e da Moderna, a vacina da J&J tem uma eficácia superior a 50% logo na primeira dose.

Isso deve facilitar a vacinação porque, em casos de duas doses, as pessoas podem acabar se esquecendo de tomar a segunda ou achar que estão seguras logo após a aplicação da primeira – o que não é verdade. Uma vacina de dose única, no entanto, evita esse tipo de problema.

Em um comunicado, o vice-diretor do braço científico da Johnson afirmou que "uma vacina de uma dose é considerada a melhor opção pela OMS em uma pandemia porque aumenta o acesso, a distribuição e a conformidade."

Qual a eficácia da vacina contra as novas variantes do vírus?

A eficácia da vacina apresentou uma variação nos locais em que foi testada. Nos Estados Unidos, ela teve 72% de eficácia, 66% na América Latina e 57% na África do Sul – o que pode indicar que o imunizante não funciona tão bem contra as novas variantes.

Em relação a casos severos, a vacina teve uma eficácia de 85% em todas as regiões do estudo após 28 dias da vacinação. Não aconteceram casos de reações severas depois da administração do imunizante.

Na tarde desta quinta-feira, 28, a americana Novavax também anunciou os resultados da eficácia de sua vacina (89,3%) e afirmou que ela não tem eficácia tão alta contra a cepa encontrada no país africano, aumentando a preocupação com as vacinas já aprovadas no mundo todo.

Isso não significa que as vacinas não funcionam, mas sim que elas precisarão ser atualizadas frequentemente – quase como a da gripe.

 

De 0 a 10 quanto você recomendaria Exame para um amigo ou parente?

 

Clicando em um dos números acima e finalizando sua avaliação você nos ajudará a melhorar ainda mais.

Acompanhe tudo sobre:CoronavírusJohnson & JohnsonPandemiavacina contra coronavírusVacinas

Mais de Ciência

Ozempic reduz risco de morte para pessoas com diabetes, revela estudo

Einstein estava certo sobre a gravidade em buracos negros, diz estudo

'Saquinho' de nicotina ganha adeptos para perda de peso

Usuários do Wegovy mantêm perda de peso por quatro anos, diz Novo Nordisk

Mais na Exame