Café filtrado pode ajudar a diminuir risco de diabetes, diz pesquisa

Pesquisadores apontam possível relação entre pacientes com risco de desenvolver diabetes tipo 2 e o consumo de café filtrado
Diabetes: pesquisa encontra relação entre consumo de café e o desenvolvimento da doença (Timothy Fadek/Getty Images)
Diabetes: pesquisa encontra relação entre consumo de café e o desenvolvimento da doença (Timothy Fadek/Getty Images)
Por Maria Eduarda CuryPublicado em 21/12/2019 09:00 | Última atualização em 21/12/2019 10:00Tempo de Leitura: 3 min de leitura

São Paulo - O modo você prepara o café pode ajudar a reduzir o risco de desenvolver diabetes tipo 2, de acordo com uma nova pesquisa feita pelas Universidades de Tecnologia de Chalmers e de Umeå, localizadas na Suécia. A doença, que afeta cerca de 14 milhões de brasileiros, segundo dados da Federação Internacional de Diabetes, dificulta a produção de insulina pelo pâncreas, necessária para o bom funcionamento do organismo humano.

O estudo procura diferenciar os efeitos que o café filtrado e o café fervido apresentam no tratamento de diabetes. Para isso, eles inseriram biomarcadores - moléculas específicas para medir o resultado dos testes realizados - na corrente sanguínea dos participantes do estudo. Os participantes que beberam de duas a três xícaras por dia de café filtrado apresentaram um risco 60% menor do que os disseram ingerir menos de uma xícara inteira de café filtrado diariamente.

Para diferenciar os resultados do café fervido e do filtrado, os pesquisadores utilizaram uma técnica chamada metabolômica, que identifica a concentração sanguínea de moléculas específicas - biomarcadores - em um alimento ou bebida. Lin Shi, pesquisador e principal autor do estudo, informou, em nota, que a obtenção de informações por esse método é mais precisa do que os métodos tradicionais: "A metabolização é uma ferramenta fantástica, não apenas para capturar a ingestão de alimentos e bebidas específicos, mas também para estudar os efeitos que essa ingestão tem no metabolismo das pessoas. Podemos obter informações importantes sobre os mecanismos por trás de como certos alimentos influenciam o risco de doença", disse Shi.

O café fervido não apresentou um efeito relevante sobre o desenvolvimento de diabetes no organismo humano. Rikard Landberg, professor de ciência de alimentos da Chalmers e um dos pesquisadores envolvidos no estudo, informou que filtrar o café é a melhor maneira de tentar retardar o desenvolvimento: "Mas foi demonstrado que, quando você filtra o café, os diterpenos são capturados no filtro.

Como os dados utilizados no estudo foram coletados nos anos 90 em locais como os Estados Unidos e a Escandinávia, onde o café filtrado é o mais comum, o estudo não investigou os efeitos do café instantâneo e do expresso, entre outros, no organismo.

No entanto, Landberg acredita que os efeitos apresentados pelos cafés preparados dessas maneiras são semelhantes aos do café fervido. Os pesquisadores apontaram, no entanto, que é importante levar em conta a forma pela qual os grãos de café, e a bebida em si, são gerenciados até chegarem para o consumidor.