Acompanhe:
seloCarreira

Saúde mental no trabalho: o que impede os funcionários de buscar apoio?

Mais da metade dos profissionais brasileiros nunca contou com ajuda psicológica, segundo pesquisa realizada pela Ticket

Modo escuro

Continua após a publicidade
Tatiana Romero, diretora de RH do Ticket: O tema saúde mental ainda é um tabu para muitas pessoas, principalmente no universo corporativo (Getty Images/Divulgação)

Tatiana Romero, diretora de RH do Ticket: O tema saúde mental ainda é um tabu para muitas pessoas, principalmente no universo corporativo (Getty Images/Divulgação)

Mais da metade dos profissionais brasileiros (56%) nunca contou com apoio psicológico ou psiquiátrico, segundo pesquisa realizada pela Ticket, marca da Edenred Brasil de vale-refeição e vale-alimentação, com mais de 500 pessoas, na primeira quinzena de julho deste ano.

Entre os 44% que já se consultaram com especialistas, o estudo mostra que a periodicidade das consultas varia:

  • 22% o fizeram no último ano;
  • 5% nos últimos 24 meses;
  • 4% recorreram a ajuda nos últimos 36 meses;
  • 13% há mais de três anos.

Quais são as justificativas para não recorrerem ao apoio especializado?

O tema saúde mental ainda é um tabu para muitas pessoas, principalmente no universo corporativo, afirma Tatiana Romero, diretora de recursos humanos da Ticket. Tanto que entre as justificativas para não recorreram ao apoio especializado, estão:

  • 35% disseram não ter certeza se precisam;
  • 18% revelaram que o plano de saúde não cobre sessões de terapia e/ou consultas com psiquiatras;
  • 18% têm receio de sofrer algum tipo de preconceito no trabalho;
  • 30% afirmaram não precisar de qualquer apoio.

“É importante que as empresas criem um ambiente acolhedor para que os profissionais tenham segurança em demonstrar suas fraquezas emocionais e pedir apoio”, diz Romero.

Por que é importante as empresas investirem em tratamento de saúde mental?

As empresas se mostraram necessárias no combate às doenças mentais, afinal, muitos casos acabam surgindo no ambiente corporativo. Neste contexto, o levantamento também revelou que 55% das empresas não oferecem aos profissionais sessões de terapia ou benefícios relacionados à saúde mental. Isso leva 25% dos trabalhadores a desembolsar até R$500 destinados a tratamentos e apoio psicológico.

“Esses resultados são um alerta para as empresas avaliarem os benefícios que oferecem aos funcionários e considerarem a importância das iniciativas voltadas à saúde mental, uma vez que o equilíbrio emocional das pessoas também está diretamente ligado à produtividade no trabalho”, diz Romero.

Ao serem questionados sobre quais benefícios gostariam de receber visando aumentar o bem-estar e a saúde mental, os entrevistados elegeram:

  • 53% escolheriam cuidados com a saúde, como o convênio;
  • 50% mencionaram as sessões de terapia;
  • 39% descontos com academias ou outros para prática de atividades físicas;
  • 19% ações de descompressão da empresa (como sessão de meditação em grupo, disponibilizar um espaço para um cochilo, jogos de mesa, etc);
  • 16% palestras e rodas de conversa sobre temáticas relacionadas à saúde mental;
  • 9% bloqueio de agendas corporativas (dias sem reunião, bloquear horário de almoço, etc).

Ao serem perguntados sobre os fatores mais importantes para garantir o bem-estar e a saúde mental no trabalho, os entrevistados destacaram:

  • 58% optam pelo equilíbrio entre vida pessoal e profissional;
  • 48% mencionaram o equilíbrio entre volume de trabalho e salário recebido;
  • 34% disseram a boa relação com colegas de trabalho;
  • 31% responderam a boa relação com o gestor imediato.

“Quando comparamos os diferentes perfis que estão atuando no mercado de trabalho atualmente, os profissionais mais jovens tendem a apresentar um comportamento diferenciado em relação às gerações anteriores. Eles naturalmente prezam pelo equilíbrio entre vida profissional e pessoal, principalmente por buscar mais estabilidade emocional e saúde mental. Somado a isso, acabamos de passar por um período de pandemia que diminuiu a segregação entre o trabalho e os cuidados pessoais, o que potencializou essa prática,” afirma Romero.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Muitas vagas, poucos talentos: especialista revela qual o profissional mais disputado do mercado
seloCarreira

Muitas vagas, poucos talentos: especialista revela qual o profissional mais disputado do mercado

Há 7 horas

Semana de trabalho de 4 dias é bem-sucedida no maior teste já feito no mundo
seloCarreira

Semana de trabalho de 4 dias é bem-sucedida no maior teste já feito no mundo

Há 9 horas

10 Habilidades para colocar no currículo e como conquistá-las para a sua vida profissional
seloCarreira

10 Habilidades para colocar no currículo e como conquistá-las para a sua vida profissional

Há 9 horas

Quais são os 10 requisitos mais exigidos na hora de contratar estagiários?
seloCarreira

Quais são os 10 requisitos mais exigidos na hora de contratar estagiários?

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais