Conheça a primeira formação dedicada a preparar profissionais para atuar no metaverso

A especialista em tecnologia Izabela Anholett é uma das professoras do curso Master em Digita Manager e Metaverso, e as primeiras aulas estão disponíveis de forma gratuita
Metaverso: novos ambientes virtuais precisam de pessoas qualificadas para desenvolvê-los e levar as empresas para lá (Getty Images/Getty Images)
Metaverso: novos ambientes virtuais precisam de pessoas qualificadas para desenvolvê-los e levar as empresas para lá (Getty Images/Getty Images)
A
Ana Carolina Pereira Publicado em 16/07/2022 às 12:00.

Web 3.0, blockchain, criptomoedas, DeFi, NFTs. A maioria das novidades da atualidade são digitais. Até os meios de pagamento como conhecíamos há pouco ganharam boas doses de tecnologia, como o PIX, que imediatamente caiu no gosto popular, e a possibilidade de realizar compras utilizando apenas o reconhecimento facial.

A verdade é que, hoje, é muito difícil imaginar o dia a dia sem o uso da internet e sem os smartphones, por exemplo, e a velocidade com que as inovações tecnológicas chegam ao consumidor final já não assustam tanto assim.

Muito provavelmente, em cinco ou dez anos não apenas o consumo, mas o cotidiano das populações ao redor do mundo seja muito mais imersivo. A CTO da EXAME, Izabela Anholett, ressalta que para os jovens, não há uma grande diferenciação entre o real ou virtual. Para eles, tudo se trata de uma experiência. “Quem tem menos de 25 anos não se importa mais com isso. É uma outra mentalidade que daqui a pouco está chegando no mercado de trabalho e no de consumo”, afirma.

E é possível que grande parte dessa nova realidade aconteça no já famoso (e polêmico) metaverso.

Entenda o metaverso e seus impactos na economia, nos negócios e na sua vida profissional.

Como funciona o metaverso

Basicamente, o metaverso pode ser descrito como um conceito que mistura realidade aumentada a ambientes virtuais. Por meio dele, as pessoas podem interagir como se fosse o “mundo real”, podendo trabalhar, estudar, ter vida social, amigos e familiares representados por avatares e, é claro, bens materiais.

O conceito, apesar de já existir, em teoria, desde os anos 90, está em alta principalmente desde outubro de 2021, quando o Facebook mudou seu nome para Meta, apostando no avanço desse universo, que passou a ser seu foco de atuação. O mercado confiou em Mark Zuckerberg e seguiu o mesmo caminho: em pouco tempo, as maiores empresas de praticamente todos os segmentos estavam dentro do metaverso.

Grandes players dos segmentos de alimentação, entretenimento, moda, mercado de luxo, games, tecnologia e até de relacionamento, como o Tinder, já estão ocupando seus lugares no mundo virtual, lançando, inclusive, linhas de produtos focadas exclusivamente no metaverso.

Como não poderia deixar de ser, já é possível também investir no metaverso. A maneira mais audaciosa de se fazer isso é comprando terrenos virtuais — que podem valer mais caros do que terrenos físicos —, mas existem também os fundos de investimentos, criptoativos ligados a projetos no metaverso, sem contar as ações de empresas que já estão inseridas nesse universo.

Conheça a primeira formação dedicada a preparar profissionais para atuar no metaverso. Confira as primeiras aulas de forma gratuita.

Mas será que é seguro apostar no metaverso?

Quem tem mais de 30 anos, certamente vai se lembrar de tentativas frustradas de emplacar um mundo virtual, como o Second Life, uma ideia de ambiente de realidade virtual lançada no começo dos anos 2000, que parecia promissor, mas desapareceu em um piscar de olhos.

O metaverso, porém, não aparenta estar seguindo o mesmo caminho. Izabela Anholett explica que apesar de ser possível afirmar se tratar de uma tecnologia ainda pouco explorada e de potencial desconhecido, também é correto dizer que o conceito tem tudo para dar certo. “Quando o termo surgiu, lá atrás, não tinha toda a estrutura de agora como blockchain e criptomoedas, que fazem com que o metaverso se sustente como uma economia. Não sabemos exatamente quando, nem como, mas a única certeza que temos é que ele vai mudar o mundo como o conhecemos hoje”.

Com 15 anos de experiência em tecnologia, a especialista é também professora do Master em Metaverso, oferecido pela EXAME em parceria com o Ibmec, e tem como foco ensinar as pessoas a tomar as melhores decisões tecnológicas para seus produtos. “Eu não acredito em usar a tecnologia apenas pela tecnologia, e sim em fazer a melhor escolha para o seu negócio. Eu ensino as técnicas e os passos que eu uso na hora de escolher para onde ir, como aplicar as principais tecnologias do mercado no dia a dia de acordo com a realidade de cada um”, diz. Saiba mais sobre o curso.

É preciso, então, conter a empolgação e o impulso e não entrar na tecnologia por conta do efeito manada, correndo o risco de gastar muito dinheiro, sem ter nenhum retorno. “No metaverso, dá para fazer o que você quiser, mas não entre se você não sabe como isso pode ajudar o seu negócio”, reforça Anholett.

Conhecimento é o melhor remédio

Mas, então, o recomendado a fazer é se afastar do metaverso? Não, ao contrário. Definitivamente, o futuro será ainda mais digitalizado e a realidade virtual, de uma forma ou de outra, é uma tendência que deverá se concretizar.

O caminho, então, é buscar o máximo de conhecimento possível sobre o assunto, seja você um investidor pessoa física, um empreendedor buscando as melhores oportunidades para o seu negócio ou alguém interessado em migrar a vida profissional para uma carreira no metaverso.

Como o metaverso ainda está em construção, há também ainda poucas pessoas capacitadas para ocupar cargos nesse universo. Com a alta demanda e pouca oferta desses profissionais, a remuneração pode chegar aos R$ 25 mil.

Como começar uma carreira no metaverso

O Master em Digital Manager e Metaverso tem nível de pós-graduação e é ministrado por profissionais do mercado, incluindo a diretora de tecnologia da EXAME, citada ao longo dessa matéria. Os estudantes contarão com mais de 90 horas de atividades práticas e devem sair do curso preparados para a maior revolução empresarial e tecnológica do século XXI.

As quatro primeiras aulas da especialização estão disponibilizadas de maneira gratuita e online para todos os interessados pelo curso, com direito a certificado de participação. O conteúdo pode ser conferido até o dia 19 de julho. Saiba mais aqui.

Confira as quatro primeiras aulas do curso de formação Carreira em Metaverso de forma 100% gratuita.

Veja Também: