• AALR3 R$ 19,61 -0.71
  • AAPL34 R$ 73,24 -0.44
  • ABCB4 R$ 16,91 2.61
  • ABEV3 R$ 14,84 1.02
  • AERI3 R$ 4,02 -8.22
  • AESB3 R$ 10,88 1.40
  • AGRO3 R$ 31,78 0.54
  • ALPA4 R$ 21,32 -1.71
  • ALSO3 R$ 20,09 1.11
  • ALUP11 R$ 26,55 1.37
  • AMAR3 R$ 2,42 1.68
  • AMBP3 R$ 30,58 3.21
  • AMER3 R$ 23,45 -0.89
  • AMZO34 R$ 71,35 -0.25
  • ANIM3 R$ 5,78 4.14
  • ARZZ3 R$ 82,76 -0.01
  • ASAI3 R$ 15,62 1.63
  • AZUL4 R$ 22,23 4.56
  • B3SA3 R$ 11,91 2.23
  • BBAS3 R$ 36,25 2.34
  • AALR3 R$ 19,61 -0.71
  • AAPL34 R$ 73,24 -0.44
  • ABCB4 R$ 16,91 2.61
  • ABEV3 R$ 14,84 1.02
  • AERI3 R$ 4,02 -8.22
  • AESB3 R$ 10,88 1.40
  • AGRO3 R$ 31,78 0.54
  • ALPA4 R$ 21,32 -1.71
  • ALSO3 R$ 20,09 1.11
  • ALUP11 R$ 26,55 1.37
  • AMAR3 R$ 2,42 1.68
  • AMBP3 R$ 30,58 3.21
  • AMER3 R$ 23,45 -0.89
  • AMZO34 R$ 71,35 -0.25
  • ANIM3 R$ 5,78 4.14
  • ARZZ3 R$ 82,76 -0.01
  • ASAI3 R$ 15,62 1.63
  • AZUL4 R$ 22,23 4.56
  • B3SA3 R$ 11,91 2.23
  • BBAS3 R$ 36,25 2.34
Abra sua conta no BTG

Carreira que liderava ranking de insatisfação vira 1ª em qualidade de vida

Exclusivo: confira o ranking dos profissionais com melhor percepção de qualidade de vida no trabalho, segundo o índice divulgado pela Sodexo
 (Getty Images/Westend61)
(Getty Images/Westend61)
Por Camila PatiPublicado em 24/09/2019 06:00 | Última atualização em 20/01/2020 11:51Tempo de Leitura: 3 min de leitura

São Paulo - Há um ano, os corretores de imóveis eram os mais insatisfeitos no trabalho, segundo o monitoramento feito pela Sodexo por meio do Índice Qualidade de Vida no Trabalho (IQVT), medido no segundo trimestre de 2018. Hoje, essa mesma categoria é líder de satisfação profissional, de acordo com os dados coletados no segundo trimestre de 2019 com mil pessoas, e obtidos com exclusividade para EXAME.

A virada na percepção da experiência de trabalho é atribuída à melhora no mercado imobiliário, segundo Fernando Cosenza, vice-presidente de marketing da Sodexo Benefícios e Incentivos, responsável pela ferramenta online e gratuita que mede a satisfação profissional por meio de teste que dura alguns minutos. “O setor está apresentando uma retomada”, diz Fernando Cosenza, vice-presidente de Marketing da Sodexo Benefícios e Incentivos.

No país, a Câmara Brasileira da Indústria da Construção registrou avanço de 9% nas vendas e de 4% nos lançamentos residenciais no primeiro trimestre. Em São Paulo, pesquisa do mercado imobiliário realizada pelo Secovi -SP (Sindicato da Habitação) mostrou que, no acumulado de 12 meses (junho de 2018 a maio de 2019), o número de unidades habitacionais comercializadas teve aumento de 19,5% em relação ao mesmo período anterior (junho de 2017 a maio de 2018).

Se depender do que projeta o sindicato, os corretores podem continuar a sorrir, sobretudo em São Paulo. A estimativa do Secovi-SP é que o mercado encerre 2019 com número de unidades lançadas entre 37 mil e 41 mil, o que representa estabilidade ou alta de até 10% em comparação com 2018, quando foram 37 mil.

Ranking traz estagiários e executivos também entre os mais satisfeitos

O índice de qualidade de vida vai se zero a 10 e a nota geral do segundo trimestre foi de 6,31 pontos, um aumento de 6,7% em relação ao mesmo período no ano passado (5,91 pontos).

No ranking de profissões, os corretores de imóveis, os mais satisfeitos com a experiência no trabalho (7,70 pontos), são seguidos por estagiários (7,17 pontos), e executivos em cargos de presidência/diretoria/gerência (7,09 pontos):

1. Corretores de imóveis: 7.70 pontos
2. Estagiários 7.17 pontos
3. Profissionais em cargos de presidência/diretoria/gerência: 7,09 pontos
4. Profissionais em cargos de coordenação/supervisão: 6,40 pontos
5. Empregados de áreas executivas: 6,32 pontos
6. Profissionais da área de serviços de apoio administrativo: 6,15 pontos
7. Professores: 5,85 pontos
8. Outros: 5,66 pontos
9. Empregados de áreas de fabricação: 5,41 pontos
10. Empregados do setor de serviços: 5,36 pontos

O índice mostra que a satisfação é maior entre os profissionais da região Sul (6,51 pontos), seguida pelos respondentes do Nordeste (6,44 pontos) e do Centro-Oeste (6,24 pontos). Sudeste e Norte são as regiões que concentram os profissionais menos satisfeitos com índices de 5,91 e 5,86, respectivamente.

A alta no índice geral de qualidade vida é uma resposta à leve melhora no cenário de emprego, mas a redução da previsão e crescimento da economia divulgada pelo Banco Central limita investimento das empresas e consequentemente afeta o ambiente de trabalho.

“A satisfação com itens relacionados ao reconhecimento dos funcionários, como bônus e benefícios que recebem além do salário continuam muito baixos, coincidindo com o mesmo período de 2018, em que esta dimensão da qualidade de vida também obteve a nota de satisfação mais baixa dos entrevistados, explica Cosenza.