Brasil

Veja publica áudio e Wajngarten chama de "incompetência" gestão na Saúde

A fala foi motivo questionamento dos senadores durante seu depoimento na CPI da Pandemia do Senado, realizada nesta quarta-feira, 12

Ex-secretário especial de Comunicação Social da presidência, Fabio Wajngarten (Jefferson Rudy/Agência Senado/Flickr)

Ex-secretário especial de Comunicação Social da presidência, Fabio Wajngarten (Jefferson Rudy/Agência Senado/Flickr)

GG

Gilson Garrett Jr

Publicado em 12 de maio de 2021 às 16h14.

Última atualização em 12 de maio de 2021 às 16h26.

A revista Veja publicou em seu site o trecho da entrevista em que o ex-secretário de Comunicação da Presidência, Fabio Wajngarten, chama de "incompetência" a gestão do Ministério da Saúde na condução das negociações da compra de vacinas da farmacêutica Pfizer. A fala foi motivo questionamento dos senadores durante seu depoimento na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pandemia do Senado, realizada nesta quarta-feira, 12. 

No depoimento à CPI, o ex-secretário negou que tenha chamado o então ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, de "incompetente" e disse não ter participado "da negociação propriamente dita" pela vacina da Pfizer, apesar de ter afirmado à revista que "abriu as portas do Palácio do Planalto" e fez "várias reuniões" com os representantes da farmacêutica.

Pouco depois da alegação do ministro, a revista divulgou áudio do trecho da entrevista em que Wajngarten diz que "houve incompetência". O repórter pergunta se teria havido incompetência ou negligência do governo, em especial do Ministério da Saúde, no processo de compra de vacinas. "Incompetência", afirmou.

A senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA) perguntou, então, se a manchete da revista Veja, que trazia a declaração dele dizendo que "houve incompetência", não era verdadeira. "A manchete serve para vender a tiragem, a manchete serve para trazer audiência, a manchete serve para chamar a atenção, conforme a gente conhece", respondeu Wajngarten.

Entrevista

À Veja, em entrevista publicada no fim de abril, Wajngarten disse ter provas de que a culpa pelo atraso na aquisição de vacinas contra a covid-19 da Pfizer foi do Ministério da SaúdeEle afirmou que o Ministério da Saúde agiu com "incompetência" e "ineficiência" durante as tratativas com a farmacêutica, que ofereceu 70 milhões de doses ao governo no ano passado. Segundo o ex-secretário, a Pfizer enviou uma carta ao ministério com a proposta, mas não recebeu resposta. Por isso, ele teria assumido a frente na negociação, com o aval do presidente Jair Bolsonaro.

O ex-secretário também deixa claro, na entrevista, que tem provas que confirmam que o Ministério da Saúde seria responsável pelo atraso das vacinas, como e-mails, registros telefônicos e cópias de minutas do contrato, além de testemunhas. Esse foi o motivo para que o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) apresentasse o requerimento para convocação de Wajngarten, aprovado em 5 de maio. A CPI quer acesso a esses documentos.

 

Acompanhe tudo sobre:CoronavírusCPI da CovidPandemiaSenado

Mais de Brasil

Câmara aprova projeto que cria cadastro nacional de condenados por violência contra a mulher

Comissão da Câmara aprova projeto de lei para incluir animais domésticos no Censo Demográfico

MPF busca solução para liberar 400 estrangeiros retidos no aeroporto de Guarulhos

Lula avaliará situação de Juscelino após viagem, diz Jaques Wagner

Mais na Exame