Brasil

Usina de Serra da Mesa está com operação paralisada

Hidrelétrica está com as operações paralisadas em atendimento a uma determinação do Operador Nacional do Sistema Elétrico


	Energia elétrica: estatal Furnas é a operadora da hidrelétrica e possui contrato de arrendamento com a CPFL
 (Dado Galdieri/Bloomberg)

Energia elétrica: estatal Furnas é a operadora da hidrelétrica e possui contrato de arrendamento com a CPFL (Dado Galdieri/Bloomberg)

DR

Da Redação

Publicado em 22 de maio de 2014 às 20h27.

São Paulo - A Usina de Serra da Mesa, localizada na Bacia do Alto Tocantins, em Goiás, está com as operações paralisadas em atendimento a uma determinação do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS).

A estatal Furnas, uma empresa do grupo Eletrobras, é a operadora da hidrelétrica e possui contrato de arrendamento com a CPFL, o qual prevê que a CPFL Geração suprirá Furnas com 51,54% da disponibilidade da potência de energia da usina.

O acordo corresponde a um total de 345,4 MW médios.

Conforme o contrato de arrendamento, o risco de operação da usina é de Furnas.

Dessa forma, a CPFL informou por meio de sua assessoria de imprensa que questões operacionais devem ser respondidas por Furnas. Procurada, a estatal não se manifestou até o fechamento dessa reportagem.

Como o risco operacional é de Furnas, conforme prevê o contrato entre as empresas, a CPFL não está sendo a afetada pela decisão do ONS.

O impacto da paralisação sobre Furnas também é limitado, uma vez o volume de energia não produzido em Serra da Mesa deve ser compensado por uma espécie de "condomínio" das usinas, representado pelo Mecanismo de Realocação de Energia (MRE).

A perda é, dessa forma, compartilhada por um grupo de geradores.

A Usina de Serra da Mesa foi uma das hidrelétricas que disponibilizou energia no leilão A-0 realizado no mês passado.

O leilão negociou contratos com início de fornecimento entre 1º de maio de 2014 e 31 de dezembro de 2019, ou seja, parte da energia ofertada no certame (oriunda de Serra da Mesa) não está disponível no mercado neste momento.

O leilão A-0 fez parte do pacote de socorro financeiro do governo federal às distribuidoras ao diminuir a exposição involuntária das concessionárias ao mercado de curto prazo.

Acompanhe tudo sobre:CPFLEletrobrasEmpresasEmpresas abertasEmpresas brasileirasEmpresas estataisEnergiaEnergia elétricaEstatais brasileirasFurnasHidrelétricasHoldingsONSServiços

Mais de Brasil

Chuva deve voltar ao Rio Grande do Sul nesta segunda-feira

Apenas 11% das escolas têm internet na velocidade certa, diz pesquisa

Julgamento que pode cassar Jorge Seif ficará para Cármen Lúcia após saída de Moraes do TSE

Rio Grande do Sul: Defesa Civil contabiliza 200 toneladas de alimentos doados

Mais na Exame