Acompanhe:

Tucanos terão liberdade para votar sobre denúncia contra Temer

O líder do PSDB na Câmara disse que o PSDB avalia "diariamente" sua relação com o governo Temer

Modo escuro

Continua após a publicidade
Câmara: "Eles terão liberdade pra cada um exercer aquilo que se propuserem", disse o líder (Zeca Ribeiro/Agência Câmara)

Câmara: "Eles terão liberdade pra cada um exercer aquilo que se propuserem", disse o líder (Zeca Ribeiro/Agência Câmara)

S
Silvio Cascione, da Reuters

Publicado em 28 de junho de 2017 às, 18h08.

Última atualização em 28 de junho de 2017 às, 18h27.

Brasília - O líder do PSDB na Câmara dos Deputados, Ricardo Tripoli (SP), disse nesta quarta-feira que os parlamentares do partido terão liberdade para votarem como quiserem sobre a denúncia da Procuradoria-Geral da República contra o presidente Michel Temer quando o caso for analisado pela Comissão de Constituição e Justiça da Casa.

Em entrevista coletiva ao lado do prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), que se reuniu com a bancada tucana entre outros vários compromissos em Brasília nesta quarta, Tripoli disse que o PSDB avalia "diariamente" sua relação com o governo Temer, em meio à pressão de parte da bancada pelo desembarque da legenda do governo.

"Eles terão liberdade pra cada um exercer aquilo que se propuserem", disse o líder quando indagado sobre a votação da acusação contra Temer na CCJ.

"A denúncia é grave. Agora, você não pode negar o direito de defesa às pessoas. A nossa Constituição dá a todos o direito de defesa portanto, nós estamos aguardando que ele faça sua defesa e a avaliação será da bancada federal."

O líder tucano defendeu, ao mesmo tempo, que as acusações envolvendo o presidente não podem gerar instabilidade que afete a votação de reformas como a trabalhista e a da Previdência e disse que o PSDB, que tem quatro ministros no governo Temer, dará apoio não a governos, mas ao Brasil.

"Se essas matérias não forem votadas, isso vai implicar num problema muito sério de instabilidade política e social. E nós vamos trabalhar no sentido de ainda mantermos essa agenda que apresentamos, principalmente essas reformas que são fundamentais para o Brasil", disse Tripoli.

"Se houver condição de governabilidade, nós daremos apoio ao Estado brasileiro, não importa qual o governo que esteja à frente do Estado brasileiro, o mais importante é o país."

Na mesma linha, Doria defendeu a necessidade de reformas e disse que cabe ao Diretório Nacional do PSDB tomar uma decisão oficial sobre a relação do partido com o governo Temer.

"Eu não defendo o presidente Temer. Eu defendo o Brasil", disse o prefeito, que tem sido apontado como potencial candidato tucano à Presidência em 2018.

"Compete ao Diretório Nacional do PSDB uma manifestação formal a esse respeito", respondeu quando indagado sobre a denúncia contra Temer.

Últimas Notícias

Ver mais
Revisão da vida toda do INSS: julgamento de recurso no STF é marcado para 20 de março
Brasil

Revisão da vida toda do INSS: julgamento de recurso no STF é marcado para 20 de março

Há 21 horas

Descriminalização do porte de drogas para uso pessoal volta à pauta do STF; entenda a ação
Brasil

Descriminalização do porte de drogas para uso pessoal volta à pauta do STF; entenda a ação

Há um dia

STF retoma em 6 de março julgamento sobre porte de drogas para consumo pessoal
Brasil

STF retoma em 6 de março julgamento sobre porte de drogas para consumo pessoal

Há um dia

Alinhamento com Moraes e Gilmar e voto sobre 8/1: como foi a semana de estreia de Dino no STF
Brasil

Alinhamento com Moraes e Gilmar e voto sobre 8/1: como foi a semana de estreia de Dino no STF

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais