Brasil

Trabuco não aceitou convite para a Fazenda, diz jornal

Segundo Valor Econômico, presidente do Bradesco teria rejeitado convite de Dilma Rousseff para substituir Guido Mantega na Fazenda


	Luiz Carlos Trabuco Cappi, presidente do Bradesco: queridinho do mercado para a Fazenda e um dos indicados de Lula
 (Germano Lüders/EXAME.com)

Luiz Carlos Trabuco Cappi, presidente do Bradesco: queridinho do mercado para a Fazenda e um dos indicados de Lula (Germano Lüders/EXAME.com)

Talita Abrantes

Talita Abrantes

Publicado em 3 de novembro de 2014 às 19h39.

São Paulo – Um dos preferidos do mercado para substituir Guido Mantega no Ministério da Fazenda, Luiz Carlos Trabuco Cappi, atual presidente do Bradesco, teria rejeitado convite informal de Dilma Rousseff (PT) para ocupar o cargo. A informação é do jornal Valor Econômico.

Segundo um executivo próximo de Trabuco ouvido pela publicação, a mudança de rota na carreira não faria sentido neste momento para o presidente do Bradesco – que está no banco desde os 18 anos de idade.

Aos 63 anos, Trabuco deve deixar o banco em breve. O estatuto da instituição financeira define que o presidente deve ter no máximo 65 anos de idade. 

Segundo reportagem do Valor Econômico publicada na semana passada, Trabuco estaria na lista de três nomes indicados por Luiz Inácio Lula da Silva para ocupar o cargo. Além dele, o ex-secretário do Ministério da Fazenda Nelson Barbosa e o ex-presidente do Banco Central Henrique Meirelles também seriam cotados.
 
Veja outros nomes que podem ser convidados para o cargo: 

Henrique Meirelles

(Daniela Toviansky/EXAME.com)

Foi presidente do Banco Central durante o governo Lula, entre 2003 e 2011. Antes disso, foi presidente mundial do BankBoston. 

Formado em engenharia civil pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo  (Poli-USP), Meirelles tem mestrado em administração pelo Instituto Coppead da Universidade Federal do Rio De Janeiro (UFRJ). Em 2002, foi eleito deputado federal pelo PSDB. 

Segundo o  Valor, as resistências  pessoais de Dilma ao ex-presidente do BC teriam diminuído. 

Nelson Barbosa

Marcelo Camargo/ABr

( (Daniela Toviansky/EXAME.com) )



Professor da Escola de Economia de São Paulo (FGV-EESP), Nelson Barbosa é Ph.D em Economia pela New School for Social Research (Nova Iorque, EUA).

Foi secretário executivo do Ministério da Fazenda, de 2011 a 2013 – de onde teria saído por divergências. Antes disso, foi Secretário de Acompanhamento Econômico (2007-08) e Secretário de Política Econômica (2008-10), no Ministério da Fazenda. Além de presidente do Conselho do Banco do Brasil, entre 2009 e 2013.

Segundo O Globo e VEJA.com, o economista já estaria se articulando para chegar ao cargo.

Rossano Maranhão Pinto

(Agência Brasil)

Executivo do Banco Safra, Maranhão já foi presidente do Banco do Brasil entre 2004 e 2006. É master of Science in Economics pela University of Illinois e mestre em Economia Política pela Universidade de Brasília. O nome dele foi citado por Folha de S. Paulo. 

Aloizio Mercadante

(Marcello Casal / Agência Brasil)

O atual ministro da Casa Civil de Dilma também é um nome forte na lista de prováveis substitutos para Mantega, segundo reportagem do jornal O Estado de S. Paulo.

Mercadante tem mestrado em Economia pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

Já foi deputado federal, senador, ministro da ciência e tecnologia, ministro da Educação e chefe da Casa Civil.  

Se ele não for escolhido, provavelmente terá influência na definição do novo ministro da Fazenda. 

Acompanhe tudo sobre:Dilma RousseffExecutivosExecutivos brasileirosGoverno DilmaLuiz Carlos Trabuco CappiMinistério da FazendaPersonalidadesPolítica no BrasilPolíticosPolíticos brasileirosPT – Partido dos Trabalhadores

Mais de Brasil

Alckmin: Governo vai flexibilizar doações do exterior para RS por 30 dias

Governo avalia usar saldo de Itaipu para isentar contas de luz de consumidores do RS

Temos futuro: editor narra desafios de cobrir a enchente num jornal tomado pela água em Porto Alegre

Porto Alegre derruba passarela para construir corredor humanitário e facilitar a chegada de ajuda

Mais na Exame