Acompanhe:

Trabalhadores da Mercedes aprovam redução de jornada

Trabalhadores da Mercedes decidiram aderir ao program após a empresa comunicar que faria cortes de pessoal

Modo escuro

Continua após a publicidade

	Os trabalhadores tinham votado contra a medida em julho
 (Martin Leissl/Bloomberg)

Os trabalhadores tinham votado contra a medida em julho (Martin Leissl/Bloomberg)

M
Marina Gazzoni e Cleide Silva

Publicado em 16 de agosto de 2015 às, 08h17.

São Paulo - Os trabalhadores da Mercedes-Benz aprovaram neste sábado, 15, a adesão da empresa ao Programa de Proteção ao Emprego (PPE), medida que na prática autoriza a montadora a reduzir a jornada de trabalho e os salários das empresas em dificuldades financeiras. A decisão foi tomada em assembleia do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC que reuniu cerca de 1,5 mil trabalhadores da montadora.

Os trabalhadores tinham votado contra a medida em julho, mas mudaram de ideia após a empresa comunicar oficialmente o sindicato dos metalúrgicos na última sexta-feira que faria cortes de pessoal a partir do dia 1º de setembro. A empresa colocou como alternativa aos cortes a adesão ao PPE, combinado com reajustes salariais reduzidos para 2016. O PPE foi criado em julho como tentativa do governo de minimizar a redução de emprego.

Em comunicado, o sindicato informou que vai procurar a empresa na segunda-feira para reabrir as negociações. "Queremos retomar as negociações. E entendemos que o PPE é o caminho nesse momento. A empresa tem dito que só o PPE não é suficiente. Nós dizemos que é suficiente. Se houver demissão, seja qual for o cenário, vamos fazer toda luta possível. Não aceitaremos demissões", afirmou Sérgio Nobre, secretário-geral da Central Única dos Trabalhadores (CUT) e representante do Comitê Sindical de Empresa (CSE) da Mercedes-Benz.

Cortes

A Mercedes-Benz alega que tem um excedente de 2 mil trabalhadores e que já esgotou as medidas de flexibilização de emprego, como lay-off e férias coletivas. Cerca de 7 mil trabalhadores estão em licença remunerada desde ontem até o dia 21.

A Mercedes-Benz emprega 10 mil pessoas na unidade do ABC e recentemente demitiu 500 operários. Parte deles foi desligada por meio de um programa de demissão voluntária (PDV), que ainda está aberto. A adesão ao programa, no entanto, é baixa, segundos fontes próximas à empresa.

Em entrevista ao Estado na semana passada, o diretor de Comunicação e Relações Institucionais da Mercedes, Luiz Carlos de Moraes, afirmou que o ajuste de quadro é necessário em função do fraco volume de vendas. "As vendas continuam muito fracas e não há nenhuma previsão de recuperação."

Segundo a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), as vendas totais de caminhões caíram 43% de janeiro a julho em relação a 2014 e as de ônibus recuaram 28,6%. Segundo Moraes, a proposta que seria apresentada aos trabalhadores é a redução da jornada e dos salários em 30% por um ano, sendo que 15% do corte salarial seria bancado pelo Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT).

Últimas Notícias

Ver mais
PF prende dono de sítio suspeito de ajudar fugitivos de presídio de Mossoró
Brasil

PF prende dono de sítio suspeito de ajudar fugitivos de presídio de Mossoró

Há 11 horas

Em primeiro voto no STF, Dino é a favor de vínculo empregatício entre Uber e motoristas
Brasil

Em primeiro voto no STF, Dino é a favor de vínculo empregatício entre Uber e motoristas

Há 12 horas

Mendonça autoriza empresas a renegociarem acordos de leniência fechados na Lava-Jato
Brasil

Mendonça autoriza empresas a renegociarem acordos de leniência fechados na Lava-Jato

Há 13 horas

Projeto de lei quer proibir que motorista de aplicativo cobre passageiro pelo uso do ar-condicionado
Brasil

Projeto de lei quer proibir que motorista de aplicativo cobre passageiro pelo uso do ar-condicionado

Há 15 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais