Acompanhe:

Toffoli será relator de pedido para retirar ação contra Lula de Moro

Após a decisão do STF, defesa de ex-presidente pediu que não só a delação da Odebrecht como todo o processo sobre sítio em Atibaia saísse das mãos do juiz

Modo escuro

Continua após a publicidade
Toffoli: ministro foi escolhido relator por ter sido autor do voto vencedor no julgamento da semana passada em que Corte decidiu retirar das mãos de Moro as citações a Lula nas delações de executivos da empreiteira (Wilson Dias/Agência Brasil)

Toffoli: ministro foi escolhido relator por ter sido autor do voto vencedor no julgamento da semana passada em que Corte decidiu retirar das mãos de Moro as citações a Lula nas delações de executivos da empreiteira (Wilson Dias/Agência Brasil)

A
Agência Brasil

Publicado em 2 de maio de 2018 às, 16h14.

Última atualização em 2 de maio de 2018 às, 16h14.

O ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal (STF), é quem julgará a reclamação com a qual a defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pretende retirar do juiz Sergio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba, a ação penal sobre o sítio em Atibaia (SP).

A reclamação foi autuada no sistema do STF nesta quarta-feira (2), e Toffoli foi escolhido relator por prevenção, por ter sido autor do voto vencedor no julgamento da semana passada em que a Segunda Turma da Corte decidiu retirar das mãos de Moro as citações a Lula nas delações premiadas de executivos da empresa Odebrecht. O material foi enviado para a Justiça Federal de São Paulo.

Nos depoimentos, são mencionadas reformas no sítio em Atibaia, que o Ministério Público Federal (MPF) diz ter sido entregue a Lula a título de propina, em troca do favorecimento de determinadas empreiteiras em contratos com a Petrobras.

Após a decisão da Segunda Turma, na semana passada, a defesa de Lula pediu a Moro que não só a delação da Odebrecht como todo o processo sobre o sítio em Atibaia saísse das mãos de Moro. Entre os argumentos está o de que o ex-presidente não poderia ser julgado pelos mesmos fatos em mais de uma jurisdição.

Moro negou o pedido, afirmando que o caso do sítio possui "outras provas", e por isso, por ora, deve permanecer em Curitiba. A decisão levou a defesa de Lula a entrar com a reclamação no Supremo, com o objetivo de garantir a transferência do processo para São Paulo, onde os supostos crimes teriam ocorrido, ou para Brasília, onde o ex-presidente atuava à época dos fatos.

Os advogados do ex-presidente querem uma liminar (decisão provisória) para que a ação penal seja suspensa ao menos até que seja pacificada a questão sobre de quem é a competência para julgar o caso do sítio. Não há prazo para que Toffoli profira uma decisão.

Últimas Notícias

Ver mais
Lula se reúne com Pacheco e líderes do Senado nesta terça-feira
Brasil

Lula se reúne com Pacheco e líderes do Senado nesta terça-feira

Há 3 horas

Uber pede ao STF suspensão de processos que tratam de vínculo com motoristas
Brasil

Uber pede ao STF suspensão de processos que tratam de vínculo com motoristas

Há 15 horas

Com relação entre Brasil e Argentina esfriada, Milei envia novo embaixador a Brasília
Mundo

Com relação entre Brasil e Argentina esfriada, Milei envia novo embaixador a Brasília

Há 17 horas

Lula recebe Georgieva, diretora-geral do FMI; Dilma Rousseff e Haddad participam
Brasil

Lula recebe Georgieva, diretora-geral do FMI; Dilma Rousseff e Haddad participam

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais