Brasil

Tiroteio deixa um morto e seis feridos em boate de Belo Horizonte

Segundo informações da Polícia Militar, um homem chegou atirando e outro que estava no local, também armado, revidou

Belo Horizonte: uma pessoa morreu e seis ficaram feridas em tiroteio na madrugada desta segunda-feira, 2, na porta de uma boate (Embratur/Divulgação)

Belo Horizonte: uma pessoa morreu e seis ficaram feridas em tiroteio na madrugada desta segunda-feira, 2, na porta de uma boate (Embratur/Divulgação)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 2 de julho de 2018 às 10h25.

Belo Horizonte - Uma pessoa morreu e seis ficaram feridas em tiroteio na madrugada desta segunda-feira, 2, na porta de uma boate na zona norte de Belo Horizonte. Segundo informações da Polícia Militar, um homem chegou atirando e outro que estava no local, também armado, revidou.

Investigações iniciais apontam que um ferido encontrado pela PM caído em rua próxima à boate seria a pessoa que iniciou o tiroteio, e que acabou morrendo. A boate, chamada Jolie!, fica no bairro Itapoã.

O homem encontrado pelos policiais, que ainda não teve a identidade revelada, teria sido expulso por um segurança da casa noturna e voltou armado ao local. Outro segurança da boate teria atirado para proteger o colega de trabalho. Imagens feitas por câmeras de segurança deverão ser usadas nas investigações.

O tiroteio ocorreu por volta das 4h. As vítimas foram levadas para o Hospital de Pronto-Socorro Risoleta Neves, também na zona norte da capital mineira. De acordo com informações do hospital, a maior parte dos feridos passa por cirurgia. Não há, ainda, informações mais detalhadas sobre o estado de saúde dos feridos.

Acompanhe tudo sobre:Belo HorizonteMinas GeraisMortes

Mais de Brasil

Professores decidem manter greve nas universidades federais após nova oferta do governo Lula

Ao lado de Bolsonaro, Tarcísio e provável vice, Nunes diz que chapa será anunciada na semana que vem

FAB encerra neste sábado recebimento de doações ao Rio Grande do Sul

Censo 2022: Brasil tem 106,8 milhões de endereços, um aumento de 19,5% em relação ao Censo anterior

Mais na Exame