Brasil

TCU lança plataforma com lista de políticos que tiveram contas rejeitadas

Consulta aos 7.431 nomes pode ser feita na internet para orientar a população, partidos, coligações, candidatos e o próprio MP a obter informações

Só a presença na lista não significa que a pessoa seja considerada ficha-suja (Nelson Jr./ASCOM/TSE/Divulgação)

Só a presença na lista não significa que a pessoa seja considerada ficha-suja (Nelson Jr./ASCOM/TSE/Divulgação)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 26 de julho de 2018 às 21h33.

Brasília - O Tribunal de Contas da União (TCU) lançou na tarde desta quinta-feira, 26, uma plataforma digital com a relação de políticos que tiveram as contas julgadas irregulares nos últimos oito anos. A consulta aos 7.431 nomes já pode ser feita na internet (http://contasirregulares.tcu.gov.br) para orientar a população, partidos, coligações, candidatos e o próprio Ministério Público a obter mais informações sobre os candidatos das próximas eleições.

"É preciso deixar claro: só a presença na lista não significa que a pessoa seja considerada ficha-suja. É preciso que os requisitos da lei (da Ficha Limpa) sejam cumpridos também: dolo e irregularidade insanável", destacou o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Luiz Fux, que participou da solenidade de divulgação da iniciativa.

A Lei da Ficha Limpa prevê a inelegibilidade de quem tiver as contas - relativas ao exercício de cargos ou função pública - rejeitadas por "irregularidade insanável que configure ato doloso de improbidade administrativa", uma avaliação feita pela Justiça Eleitoral ao analisar o registro de candidaturas.

A esmagadora maioria dos 7.431 nomes diz respeito às contas de ex-prefeitos, mas também há informações sobre ex-secretários e ex-governadores que tiveram as contas julgadas irregulares. Não há relação de ex-presidentes da República, porque nesses casos, o TCU emite um parecer das contas, mas o julgamento é feito pelo Congresso Nacional.

Casos

A relação divulgada pelo TCU diz respeito a gestores públicos que tiveram as contas julgadas irregulares por dano ao Erário, desvio de recursos públicos federais ou dispensa irregular de licitação, por exemplo. A legislação prevê que o TCU encaminhe a relação dos nomes à Justiça Eleitoral até o dia 15 de agosto do ano das eleições - com a plataforma digital, o TCU e o TSE buscam garantir mais transparência e engajamento da população no processo.

Por enquanto, o Maranhão é a unidade da federação com o maior número de pessoas com contas julgadas irregulares pelo TCU (659), seguido pelo Rio de Janeiro (614), São Paulo (564), Bahia (483) e Minas Gerais (480). Já o Mato Grosso do Sul é o Estado que tem menos nomes - 91 pessoas. Como ainda há contas pendentes de julgamento, a lista vai ser atualizada diariamente até o último dia do ano.

"Neste momento histórico das eleições, o TCU cumpre o seu papel legal de disponibilizar a relação de contas julgadas irregulares colaborando com a Justiça Eleitoral no esforço de fazer valer a Lei da Ficha Limpa", destacou o presidente do TCU, ministro Raimundo Carreiro.

A plataforma digital permitirá a busca por nome e sobrenome dos políticos, por Estado ou município e até a leitura de relatórios. De acordo com o TCU, apenas serão divulgados os nomes das pessoas cujos casos já tenham transitado em julgado no tribunal, ou seja, quando não cabem mais recursos.

Lula

Sobre o registro de candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), preso e condenado na Lava Jato, o ministro Luiz Fux destacou que o TSE precisará definir a situação do petista para tornar o cenário eleitoral mais claro. Fux deixa o comando do tribunal em 14 de agosto, um dia antes do prazo final para o registro.

"Meu exercício de mandato é até o dia 14 (de agosto), até o dia 14 o tribunal será célere, e tenho certeza que também o será quando a ministra Rosa (Weber) assumir (a presidência do TSE). É claro que essa é uma questão que o tribunal precisa dar uma resposta para fins de definição de um panorama político", afirmou o ministro.

O presidente do TSE também elogiou a iniciativa do Facebook, que desativou uma rede de 196 páginas e 87 perfis pessoais relacionados ao Movimento Brasil Livre (MBL), após uma investigação que detectou contas abertas com identidades falsas. No mês passado, a Corte Eleitoral firmou parceria com o Facebook e o Google no combate à disseminação de notícias falsas.

"As próprias plataformas de antemão estão tomando todas as providências em relação às quais elas se comprometeram com o TSE. O WhatsApp já limitou o número de trocas de mensagens, o Facebook removeu conteúdos. O direito não convive com a mentira. Queremos a derrota do falso em favor do verdadeiro, com relação às fake news", frisou Fux.

Acompanhe tudo sobre:Eleições 2018Lei da Ficha LimpaLuiz Inácio Lula da SilvaMinistério PúblicoTCU

Mais de Brasil

Governo sanciona lei que prevê plano de combate à violência contra mulher

PL do aborto: Conselho Federal da OAB aprova parecer que avalia texto como inconstitucional

Em SP, operação da Polícia Civil despeja projeto social na Cracolândia

PF recupera gravuras raras roubadas há 16 anos da Biblioteca Mário de Andrade, em SP

Mais na Exame