Acompanhe:

STJ nega habeas a casal Garotinho

Garotinho e Rosinha são acusados pelo superfaturamento de R$ 62 mi em contratos celebrados entre a prefeitura de Campos dos Goytacazes e a Odebrecht

Modo escuro

Continua após a publicidade
Rosinha e Anthony Garotinho: licitações supostamente superfaturadas envolveram mais de R$ 1 bilhão (Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

Rosinha e Anthony Garotinho: licitações supostamente superfaturadas envolveram mais de R$ 1 bilhão (Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

E
Estadão Conteúdo

Publicado em 31 de outubro de 2019 às, 09h53.

São Paulo — O ministro Leopoldo Raposo, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), negou na noite desta quarta feira, 30, o pedido de liberdade dos ex-governadores do Rio Anthony Garotinho e Rosinha Garotinho.

O casal foi preso na manhã do mesmo dia, em cumprimento de ordem da 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio (TJ-RJ), que cassou um habeas corpus concedido ao casal pelo desembargador Siro Darlan. Trata-se da quinta prisão de Garotinho e da terceira de Rosinha.

Leopoldo Raposo, do Tribunal de Justiça de Pernambuco, foi convocado para substituir temporariamente o ministro Felix Fischer, que se recupera de uma embolia pulmonar. O magistrado indeferiu o pedido do casal Garotinho próximo das 19h desta quarta, mas a decisão só será publicada na próxima terça-feira, dia 5 de novembro.

O habeas corpus dos ex-governadores havia sido protocolado pouco depois das 12h e contestava a decisão dos desembargadores da 2ª Câmara Criminal do TJ-RJ que cassaram habeas corpus concedido liminarmente por Darlan. O Ministério Público defendeu a prisão alegando que, em liberdade, o casal pode intimidar testemunhas.

Garotinho e Rosinha são acusados pelo Ministério Público do Rio (MP-RJ) pelo superfaturamento de R$ 62 milhões em contratos celebrados entre a prefeitura de Campos dos Goytacazes, no norte fluminense, e a construtora Odebrecht, para a construção de casas populares dos programas "Morar Feliz I" e "Morar Feliz II". Os crimes teriam acontecido durante os dois mandatos de Rosinha como prefeita, entre 2009 e 2017. Entre 2015 e 2016, seu esposo foi Secretário do município.

O casal afirma ser inocente e se diz vítima de perseguição política.

As licitações supostamente superfaturadas envolveram mais de R$ 1 bilhão, e, segundo o Ministério Público do Rio de Janeiro, deram aos cofres públicos prejuízo de mais de R$ 62 milhões. Segundo a acusação, a Odebrecht pagou R$ 25 milhões de propina no âmbito de tais contratos.

A prisão anterior do casal se deu no dia 3 setembro durante a Operação Secretum Domus. Os ex-governadores, no entanto, foram soltos um dia depois.

Últimas Notícias

Ver mais
Complexo do Alemão contará com observatório do clima
ESG

Complexo do Alemão contará com observatório do clima

Há 2 dias

Censo 2022: Rio de Janeiro é o estado com maior proporção de condomínios do Brasil
Brasil

Censo 2022: Rio de Janeiro é o estado com maior proporção de condomínios do Brasil

Há 5 dias

STJ pode julgar hoje se tarifas de energia integram base de cálculo do ICMS
Brasil

STJ pode julgar hoje se tarifas de energia integram base de cálculo do ICMS

Há 5 dias

Dengue: governador do Rio decreta epidemia após 4 mortes e 49 mil casos notificados no estado
Brasil

Dengue: governador do Rio decreta epidemia após 4 mortes e 49 mil casos notificados no estado

Há 6 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais