Brasil

Romero Jucá vai assumir liderança do governo Temer no Congresso

Menos de seis meses depois de ter sido obrigado a deixar ministério, Jucá vai assumir a função de líder do governo no Congresso, indicado por Temer

Romero Jucá: senador tinha sido nomeado ministro do Planejamento quando Temer ainda era interino, mas caiu 12 dias depois (Pedro França/Agência Senado)

Romero Jucá: senador tinha sido nomeado ministro do Planejamento quando Temer ainda era interino, mas caiu 12 dias depois (Pedro França/Agência Senado)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 4 de novembro de 2016 às 06h49.

Menos de seis meses após ter sido obrigado a deixar o cargo de ministro do Planejamento, o senador Romero Jucá (PMDB-RR) assumirá a função de líder do governo no Congresso.

Jucá foi escolhido pelo presidente Michel Temer para substituir a senadora Rose de Freitas (PMDB-ES), que acabou se indispondo com a base aliada após criticar a ausência de líderes em sessões de interesse do Palácio do Planalto.

Apesar da saída oficial de Jucá do Planejamento, ele nunca deixou de frequentar o Planalto, de participar de reuniões com Temer ou de influir nas decisões do Ministério.

O senador entregou o cargo em 24 de maio, 12 dias após Temer assumir a Presidência como interino, após vir à tona uma gravação na qual o ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado sugeria a existência de um pacto para conter a Lava Jato.

No diálogo, ocorrido semanas antes da votação do impeachment da então presidente Dilma Rousseff pela Câmara, Jucá dizia que era preciso mudar o governo para "estancar essa sangria", numa referência ao avanço da Lava Jato.

Alvo da operação, o senador deixou o governo dizendo que provaria sua inocência e poderia retornar ao Planejamento. Isso, porém, não ocorreu.

A nomeação de Jucá, presidente do PMDB, deve sair na semana que vem. De acordo com informações obtidas pelo Estado, Rose de Freitas ficou aborrecida com a troca. A senadora foi escolhida por Temer principalmente porque o governo apresentava uma carência de mulheres em postos de destaque.

Ao protestar contra a falta de mobilização da base aliada em uma sessão do Congresso convocada para analisar a liberação de recursos para o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies), no mês passado, Rose subiu à tribuna para reclamar dos colegas e disse que não era "babá" para acordar senador e deputado.

Jucá sempre teve o desejo de substituir o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL). Até agora, porém, o nome mais cotado para ocupar a cadeira de Renan é o de Eunício Oliveira (PMDB-CE).

Acompanhe tudo sobre:Governo TemerRomero Jucá

Mais de Brasil

Chuvas no RS: governo vai propor flexibilizações na Lei de Licitações para situação de calamidade

Celular Seguro vai enviar alerta a quem comprar aparelho furtado ou roubado

Rumo a um Novo Ensino Médio: os desafios e perspectivas da reforma da reforma

Moraes suspende norma do CFM que dificulta aborto legal em casos de estupro

Mais na Exame