Brasil

Relator de MP de compensação tributária diz que parcelamento preserva Orçamento federal

Deputado Rubens Pereira Jr. concordou com o entendimento do governo de que é preciso estabelecer uma previsibilidade sobre o volume dessas compensações

Créditos tributários: relator de medida diz que concorda que é preciso estabelecer uma previsibilidade sobre o volume dessas compensações (Leonardo Sá/Agência Senado/Flickr)

Créditos tributários: relator de medida diz que concorda que é preciso estabelecer uma previsibilidade sobre o volume dessas compensações (Leonardo Sá/Agência Senado/Flickr)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 16 de abril de 2024 às 13h38.

O relator da medida que estabelece limitações para a compensação de créditos tributários obtidos por decisão judicial, deputado Rubens Pereira Jr. (PT-MA), sinalizou nesta terça-feira, 16, que concorda com o entendimento do governo de que é preciso estabelecer uma previsibilidade sobre o volume dessas compensações. O deputado argumentou que, ao estabelecer limites temporais para a compensação dos valores, o Estado passa um "recado importante" de que quer cumprir o orçamento federal aprovado pelo Congresso.

"O Estado, se tiver que parcelar, para garantir a segurança jurídica, é possível, principalmente para manter o congresso aprovado pelo Congresso nacional", disse, em audiência pública no Congresso sobre a MP 1.202/2024, que atualmente se resume a discutir a proposta do governo de parcelar a compensação dos créditos tributários com valor acima de R$ 10 milhões obtidos por decisão judicial.

O relator lembrou que, no ano passado, foram pelo menos R$ 60 bilhões compensados, oriundos de decisões judiciais, e que fica "difícil" fechar a conta do orçamento com esse volume descontado na arrecadação. "Assim a meta vai embora, juros voltam a subir", argumentou Pereira Jr., que pretende apresentar seu relatório nesta tarde.

A equipe econômica estima que a grande maioria dos créditos tributários originários de decisão judicial são resultado do julgamento da tese do século, que excluiu o ICMS da base de cálculo do PIS/Cofins - com impacto de cerca de R$ 500 bilhões para a União.

Contrário à medida do governo, o presidente-executivo da Associação Brasileira das Companhias Abertas (Abrasca), Pablo Cesário, pediu que o Congresso ao menos promova alterações na proposta, como tornar a limitação uma norma temporária e elevar o valor dos créditos tributários que entram na regra do parcelamento.

"Aumentar de R$ 10 milhões para R$ 200 milhões, para afetar apenas a 'tese do século', atingir enormes causas", disse Cesário, argumentando ainda que a tendência é de haja uma redução do volume de compensações judiciais ao longo dos anos, já que os impactos maiores da 'tese do Século' vão passar. O relator da MP ponderou, contudo, que outros julgamentos com novas repercussões para a União ainda podem surgir no futuro.

"Ela compensações judiciais cresceu a partir de 2019 e atingiu um pico em 2021, mas vem diminuindo desde então. A seguir essa tendência, ela deve retomar os níveis de quatro anos atrás em 2024", diz nota técnica da Abrasca.

Acompanhe tudo sobre:ICMSCarga tributária

Mais de Brasil

Onda de frio aumenta risco de geadas no RS, e temperaturas devem diminuir ainda mais; veja previsão

Enchentes no RS: sobe para 165 o número de mortos e 64 pessoas seguem desaparecidas

Pesquisa encontra agrotóxicos em alimentos ultraprocessados com apelo ao público infantil

STF cria marco civilizatório ao proibir exposição de vida sexual de vítima, dizem advogados

Mais na Exame