Acompanhe:

Reforma vai permitir 12 horas de trabalho diárias

A reforma trabalhista irá propor que a convenção coletiva tenha força de lei para tratar sobre a jornada de trabalho, afirmou o ministro do Trabalho

Modo escuro

Continua após a publicidade

	Ronaldo Nogueira: ele afirmou que a negociação coletiva não será para reduzir ou para aumentar a jornada
 (Lúcio Bernardo JR/ Câmara dos Deputados)

Ronaldo Nogueira: ele afirmou que a negociação coletiva não será para reduzir ou para aumentar a jornada (Lúcio Bernardo JR/ Câmara dos Deputados)

D
Da Redação

Publicado em 9 de setembro de 2016 às, 07h44.

Brasília - A reforma trabalhista que será proposta pelo governo do presidente Michel Temer poderá ampliar as modalidades permitidas de contrato formal de trabalho. 

Hoje, o único formato possível é o que prevê jornada de trabalho, mas estão sendo aventados outros dois tipos: por horas trabalhadas ou por produtividade. 

O governo também pretende limitar a jornada de trabalho a 48 horas semanais (44h regulares e 4h extras), com um teto de 12 horas diárias.

A principal mudança neste caso seria em relação à jornada diária, que hoje é limitada a 8 horas, mas, pela proposta, poderá ser estendida para 12 horas, respeitada a jornada de 48 horas semanais prevista na legislação corrente, segundo o Ministério.

Os planos do governo foram detalhados nesta quinta-feira, 8, pelo ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, durante encontro de sindicalistas da Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB), em Brasília.

"Vamos colocar freios na lei com teto de jornada em 48h semanais, sendo até 12h diárias", disse o ministro.

Segundo ele, a reforma trabalhista vai assegurar que as convenções coletivas possam estabelecer como se dará a divisão de horas ao longo da semana.

As entidades, no entanto, não terão poder de decidir sobre aumento ou redução da jornada. "Juízes são legalistas, julgam pelo que está explícito na lei. Não dá para ignorar que temos CLT, Constituição, normas e súmulas", disse.

Nogueira fez questão de frisar que a reforma não vai suprimir direitos dos trabalhadores. "No contrato por hora trabalhada, o trabalhador vai receber no contrato dele pagamento do FGTS proporcional, férias proporcionais e 13º proporcional", disse o ministro. "A jornada nunca poderá ultrapassar 48h semanais", acrescentou Nogueira.

Em relação aos novos tipos de contrato, por hora e por produtividade, o próprio ministério fornecerá os modelos e fará uma fiscalização incisiva.

"O trabalhador vai ter um cartão com chip, onde estará a vida funcional dele, e vai escolher se será contratado por jornada ou por produtividade", disse.

"O contrato de trabalho terá numeração com código, a fiscalização já vai ficar sabendo e fará checagens permanentes para essa relação, tanto com trabalhador por produtividade, por hora trabalhada ou por jornada de trabalho", frisou Nogueira.

Segundo ele, será uma medida importante para criar novas oportunidades de ocupação com renda para os brasileiros. Hoje, o desemprego atinge mais de 11 milhões, destacou o ministro.

Veja também: Temer orienta ministro a se retratar sobre jornada de 12h

Últimas Notícias

Ver mais
PIS 2024: quem trabalhou em 2023 tem direito ao abono salarial este ano?
seloMinhas Finanças

PIS 2024: quem trabalhou em 2023 tem direito ao abono salarial este ano?

Há 2 dias

O que diz a CLT sobre banco de horas e como funciona
seloGuia de Carreira

O que diz a CLT sobre banco de horas e como funciona

Há 4 dias

O que é o cartão multibenefícios e quais as principais vantagens para empresas
seloGuia de Carreira

O que é o cartão multibenefícios e quais as principais vantagens para empresas

Há 5 dias

Piso salarial: saiba o que diz a lei e como consultar
Guia do Cidadão

Piso salarial: saiba o que diz a lei e como consultar

Há uma semana

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais