Acompanhe:

PSB resistiu mais a Eduardo Campos do que a Barbosa, diz líder da sigla

Segundo Carlos Siqueira, a candidatura de Campos não foi fácil, mas a do ex-ministro do STF neste ano teve uma excelente receptividade

Modo escuro

Continua após a publicidade
Barbosa: na ocasião em que Campos foi o candidato ao Palácio do Planalto, a sigla perdeu nomes como o de Ciro Gomes, que migrou para o PDT (Nelson Jr./SCO/STF/Divulgação)

Barbosa: na ocasião em que Campos foi o candidato ao Palácio do Planalto, a sigla perdeu nomes como o de Ciro Gomes, que migrou para o PDT (Nelson Jr./SCO/STF/Divulgação)

E
Estadão Conteúdo

Publicado em 20 de abril de 2018 às, 10h29.

Última atualização em 20 de abril de 2018 às, 10h30.

O presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, minimizou na manhã desta sexta-feira, 20, em entrevista à Rádio Eldorado, as resistências dentro do próprio partido para a consolidação da provável candidatura do ex-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) Joaquim Barbosa à Presidência da República nessas eleições.

"A candidatura Eduardo Campos (presidenciável da sigla no pleito passado, morto em acidente aéreo em plena campanha) teve mais resistência no PSB do que Joaquim Barbosa. Construímos a candidatura Eduardo Campos com muita dificuldade, não foi fácil" disse Siqueira, emendando que "Joaquim Barbosa teve excelente receptividade no partido".

Ele lembrou que, que na ocasião em que Campos foi o candidato ao Palácio do Planalto, a sigla perdeu nomes como o de Ciro Gomes, que migrou para o PDT e também é pré-candidato nas eleições gerais de outubro deste ano.

Na entrevista, o presidente do PSB demonstrou otimismo com uma candidatura do ex-presidente do Supremo ao Palácio do Planalto. "Acredito muito nessa hipótese. Não estou pessimista com relação à candidatura de Joaquim Barbosa, temos de ter tempo para discutir uma candidatura presidencial", frisou, argumentando que a sigla não tem pressa e que não pretende apresentar um candidato só porque ele tem bons pontos nas pesquisas de intenção de voto.

O dirigente teceu elogios ao novo filiado: "Barbosa é um homem muito preparado, é muito mais político do que as pessoas imaginam, pode oxigenar a política brasileira e sempre diz o que pensa."

Carlos Siqueira destacou ainda que a sigla não pretende impor nenhum programa a Barbosa, mas sim construir conjuntamente as propostas. E que a cautela em anunciar o nome do presidenciável da sigla reflete justamente a responsabilidade com os compromissos que ele poderá a vir assumir. "Queremos apresentar um candidato que possa renovar o Brasil", disse. Siqueira reiterou acreditar num consenso para viabilizar a candidatura do ex-ministro do STF.

Sobre as discussões de uma eventual coligação com a presidenciável da Rede, Marina Silva, o presidente do PSB disse que isso não está em pauta neste momento. "Não discutimos composição com Marina Silva, ela tem a candidatura dela e nós teremos a nossa. Claro que aceitaremos alianças, mas ainda não estamos discutindo isso agora."

Últimas Notícias

Ver mais
Nada de papel: Governo de SP disponibiliza plataforma eletrônica para os 645 municípios paulistas
Brasil

Nada de papel: Governo de SP disponibiliza plataforma eletrônica para os 645 municípios paulistas

Há 3 horas

Parlamentares pedem derrubada de MP que reonera folha de pagamento de 17 setores
Brasil

Parlamentares pedem derrubada de MP que reonera folha de pagamento de 17 setores

Há 4 horas

Dengue: governador do Rio decreta epidemia após 4 mortes e 49 mil casos notificados no estado
Brasil

Dengue: governador do Rio decreta epidemia após 4 mortes e 49 mil casos notificados no estado

Há 4 horas

'Inação implica em perda de vidas inocentes', diz Mauro Vieira em discurso de abertura do G20
Brasil

'Inação implica em perda de vidas inocentes', diz Mauro Vieira em discurso de abertura do G20

Há 4 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais