Prefeito do Rio não autoriza nem proíbe blocos de carnaval

Apesar de os desfiles de blocos não terem autorização para ocorrer nas ruas da cidade, mais de 30 estão previstos

Pessoas festejam em meio ao bloco de carnaval "Cordão de Prata Preta" no Rio em 25/02/2017 (Pilar Olivares/Reuters)
Pessoas festejam em meio ao bloco de carnaval "Cordão de Prata Preta" no Rio em 25/02/2017 (Pilar Olivares/Reuters)
EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 20 de abril de 2022 às 20h03.

Um dia depois de escrever em sua conta no Twitter que "o correto é não ter bloco", o prefeito do Rio, Eduardo Paes (PSD), disse nesta quarta-feira, 20, que a prefeitura não irá proibir as tradicionais festas de rua neste carnaval fora de época. Apesar de os desfiles de blocos não terem autorização para ocorrer nas ruas da cidade, mais de 30 estão previstos. A divulgação acontece em redes sociais.

Suspenso no ano passado por causa da pandemia de covid-19, o carnaval do Rio está sendo oficialmente retomado este ano, mas somente nos desfiles das escolas de samba. Os blocos, que costumam reunir milhares de pessoas por toda a cidade, não foram autorizados pela Prefeitura. Por isso não haverá estrutura oficial de apoio, com banheiros químicos, equipes de limpeza e ambulantes cadastrados.

Fique por dentro das principais notícias do Brasil e do mundo. Assine a EXAME

"O carnaval de rua no modelo que a gente tem, tradicionalmente, dá muito trabalho para fazer. É óbvio que a prefeitura não vai impedir ninguém de estar no espaço público, de celebrar, mas a gente sabe que naquele tamanho é impossível acontecer", disse Eduardo Paes nesta quarta-feira.

O prefeito abordou o assunto logo após fazer a entrega simbólica da chave da cidade ao Rei Momo. "A prefeitura faz esse apelo, faz esse pedido (para não se realizarem os blocos), mas eu já disse uma vez: eu não vou ficar colocando guarda municipal, fiscal da Prefeitura, atrás de folião. A gente pede só esta compreensão, especialmente com a limpeza, o trânsito da cidade", declarou o prefeito.

Liga das Escolas espera Sambódromo lotado

Previsto inicialmente para acontecer em fevereiro, mas adiado para este feriado prolongado de Tiradentes devido ao surto da variante Ômicron, os desfiles das escolas de samba do Grupo Especial deverão lotar as arquibancadas da Marquês da Sapucaí. A Liga Independente das Escolas de Samba espera um público de 75 mil pessoas para cada uma das noites de desfile. Ao todo, a avenida conta com 13 setores para receber o público. Para ter acesso à Passarela do Samba, além do ingresso, será preciso apresentar comprovante de vacinação contra a covid-19.

Mais de Brasil

Pasta da Saúde fecha acordo com Moderna para compra de 12,5 milhões de vacinas contra covid

Vamos ampliar pagamento do Pé-de-Meia para todos os estudantes inscritos no CadÚnico, afirma Lula

Lewandowski defende alterar Constituição para aumentar poder da União na segurança pública

Lula vai falar com Lira e Pacheco e governo pode ceder parte do veto em emendas, diz Randolfe

Mais na Exame