Brasil

PF pede inquérito contra Chiquinho Brazão por suspeita de desvio de emendas parlamentares

Relatório afirma que há 'indícios veementes' de que recursos foram utilizados para 'obtenção de vantagens indevidas’; defesa do parlamentar afirmou que não irá comentar

Corrupção: De acordo com a PF, há "indícios veementes" de que as emendas foram utilizadas para "obtenção de vantagens indevidas" (Zeca Ribeiro / Câmara dos Deputados/Agência Câmara)

Corrupção: De acordo com a PF, há "indícios veementes" de que as emendas foram utilizadas para "obtenção de vantagens indevidas" (Zeca Ribeiro / Câmara dos Deputados/Agência Câmara)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 23 de maio de 2024 às 20h07.

Tudo sobreMarielle Franco
Saiba mais

A Polícia Federal (PF) solicitou ao Supremo Tribunal Federal (STF) a abertura de um inquérito contra o deputado federal Chiquinho Brazão (Sem partido-RJ) e o ex-deputado Pedro Augusto Palareti (PP-RJ) para investigar suspeitas de desvios de emendas parlamentares.

De acordo com a PF, há "indícios veementes" de que as emendas foram utilizadas para "obtenção de vantagens indevidas", incluindo recursos que foram repassados para a conta da filha de um assessor de Domingos Brazão, conselheiro do Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro (TCE-RJ) e irmão de Chiquinho.

"Exsurgem indícios veementes da suposta adestinação de verbas oriundas de emendas parlamentares, notadamente dos deputados federais Pedro Augusto e Chiquinho Brazão, para fins de obtenção de vantagens indevidas", afirma relatório da PF enviado nesta quinta-feira ao STF.

Investigação avança

Os indícios foram encontrados no celular de Robson Calixto da Fonseca, assessor de Domingos conhecido como Peixe. Domingos, Chiquinho e Peixe estão presos e foram denunciados pela suspeita de participação no assassinato da vereadora Marielle Franco.

Há uma série de conversas entre Peixe e o marido da dona de uma organização não governamental (ONG) chamada Contato que foi agraciada com emendas parlamentares. Em uma ocasião, após a liberação de R$ 2 milhões em emendas para a ONG, Peixe solicita um pagamento de R$ 226 mil para uma empresa registrada no nome de sua filha.

Os diálogos indicam ainda que havia uma sequência de pagamentos à empresa da filha de Peixe. Em dezembro de 2023, por exemplo, o assessor de Domingos passou uma série de demandas ao marido da dona da ONG, incluindo o pagamento para uma empresa referente aos meses de agosto a novembro de 2023, de acordo com a PF.

Procurado pelo GLOBO, o advogado Cleber Lopes, que defende Chiquinho da acusação de homicídio, disse que não se manifestaria sobre o assunto antes de conversar com o cliente. Pedro Augusto, a ONG Contato e a defesa de Peixe também foram procurados, mas não retornaram.

Acompanhe tudo sobre:Marielle FrancoSupremo Tribunal Federal (STF)Polícia Federal

Mais de Brasil

Caso Marielle: STF julga na terça acusação da PGR que pode tornar réus irmãos Brazão e delegado

FGTS: Barroso afirma que pode alterar voto para mudança na correção começar em 2026

Comissão da Câmara aprova uso de spray de pimenta e cassetetes contra menores infratores

CCJ do Senado adia votação de PL dos jogos de azar para a próxima semana

Mais na Exame