Acompanhe:

PF paulista recusa inquérito que liga Dantas a mensalão

Sobre o grupo Opportunity, a PF paulista concluiu que o caso terá de ser investigado em outra cidade e, por isso, decidiu remetê-lo à Justiça para que um novo local seja escolhido

Modo escuro

Continua após a publicidade

	Daniel Dantas: a PF paulista recusou o inquérito que investiga suspeitas de que o grupo Opportunity fez doações ilegais ao PT por meio do empresário Marcos Valério
 (Antônio Cruz/Agência Brasil)

Daniel Dantas: a PF paulista recusou o inquérito que investiga suspeitas de que o grupo Opportunity fez doações ilegais ao PT por meio do empresário Marcos Valério (Antônio Cruz/Agência Brasil)

D
Da Redação

Publicado em 4 de março de 2013 às, 11h13.

São Paulo - A Polícia Federal em São Paulo resolveu recusar o inquérito que investiga suspeitas de que o grupo Opportunity, do banqueiro Daniel Dantas, fez doações ilegais ao PT por meio do empresário Marcos Valério Fernandes de Souza.

Trata-se de uma das várias apurações complementares ao processo julgado no ano passado pelo Supremo Tribunal Federal, que apontou desvios de dinheiro público e realização de empréstimos bancários fraudulentos para financiar um esquema de compra de apoio de parlamentares entre os anos de 2003 e 2005, no primeiro mandato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Nesse processo, a antiga cúpula do PT e o ex-ministro José Dirceu foram condenados por corrupção e formação de quadrilha. Valério, apontado como o operador do esquema, foi condenado por diversos crimes que somaram pena superior a 40 anos de prisão.

Sobre a investigação do Opportunity, a Polícia Federal paulista concluiu que o caso terá de ser investigado em outra cidade e, por isso, decidiu remetê-lo à Justiça para que um novo local seja escolhido.

O delegado Rodrigo Adriano Sandre, da Corregedoria da PF paulista, cita três capitais onde o grupo empresarial tem maior atuação e onde as investigações poderiam continuar: Rio de Janeiro, onde ficam a Brasil Telecom, atual OI Celular, e o Banco Opportunity; Belém, sede da Amazônia Celular; e Belo Horizonte, sede da Telemig Celular e domicílio de Marcos Valério e de suas empresas.


"Tudo indicando que (os supostos crimes teriam se consumado em tais áreas", diz o delegado federal.

"No caso ora examinado, trata-se de investigar elementos de prova que confirmem que as empresas Brasil Telecom, Telemig Celular e Amazônia Celular, que pertenciam ao Grupo Opportunity, aderiram ao esquema criminoso montado pelo empresário Marcos Valério", diz Sandre.

"O certo é que não existe nenhum elemento nos autos que indique, por ora, que a consumação dos possíveis delitos tenha ocorrido no Estado de São Paulo", afirma o delegado federal.

O caso chegou em setembro a São Paulo por ordem do ministro Joaquim Barbosa, presidente do Supremo Tribunal Federal e relator do processo do mensalão. Barbosa acatou pedido da Procuradoria-Geral da República e desmembrou os autos para investigação sobre irregularidades que teriam ocorrido em contratos das companhias Brasil Telecom, Telemig e Amazônica.

Últimas Notícias

Ver mais
Cid presta novo depoimento à PF sobre áudios com críticas a Moraes
Brasil

Cid presta novo depoimento à PF sobre áudios com críticas a Moraes

Há 3 dias

PF vai investigar se há crime em declarações de Elon Musk sobre Moraes
Brasil

PF vai investigar se há crime em declarações de Elon Musk sobre Moraes

Há 5 dias

Fuga em Mossoró: o que a PF encontrou no 'comboio do crime' que levava os fugitivos
Brasil

Fuga em Mossoró: o que a PF encontrou no 'comboio do crime' que levava os fugitivos

Há 5 dias

Moraes: Poder moderador das Forças Armadas é 'pífia interpretação golpista'
Brasil

Moraes: Poder moderador das Forças Armadas é 'pífia interpretação golpista'

Há uma semana

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais