Acompanhe:

PF faz buscas sobre pagamento de propina de R$4 milhões a Jucá

No total foram expedidos 9 mandados de busca e apreensão, sendo 7 na capital paulista, 1 em Santos e 1 em Campo Limpo Paulista

Modo escuro

Continua após a publicidade
Romero Jucá: senador é suspeito de ter recebido propina no valor de 4 milhões de reais da Odebrecht (Jefferson Rudy/Agência Senado/Divulgação)

Romero Jucá: senador é suspeito de ter recebido propina no valor de 4 milhões de reais da Odebrecht (Jefferson Rudy/Agência Senado/Divulgação)

R
Reuters

Publicado em 8 de novembro de 2018 às, 08h27.

Última atualização em 8 de novembro de 2018 às, 08h40.

A Polícia Federal foi às ruas nesta quinta-feira para cumprir nove mandados de busca e apreensão no Estado de São Paulo como parte de investigação sobre suspeita de pagamento de propina no valor de 4 milhões de reais ao senador Romero Jucá (MDB-RR) pela Odebrecht para viabilizar a edição de uma resolução do Senado em 2012.

A ação foi autorizada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Edson Fachin, no âmbito do inquérito 4382, que investiga Jucá com base nas delações de executivos da Odebrecht, incluindo o ex-presidente da empresa Marcelo Odebrecht.

No total foram expedidos 9 mandados de busca e apreensão, sendo 7 na capital paulista, 1 em Santos e 1 em Campo Limpo Paulista, informou a PF em nota oficial.

Documento disponível no site do STF que detalha o inquérito citado pela PF na operação afirma que, segundo o Ministério Público Federal, a empresa petroquímica Braskem --uma sociedade entre Odebrecht e Petrobras-- tinha interessa na aprovação da Resolução 72 do Senado, que consistiria em limitar a chamada "Guerra dos Portos".

Foi então combinado o pagamento da vantagem indevida no valor de 4 milhões de reais a Jucá pelo chamado setor de Operações Estruturadas da Odebrecht em troca de apoio à empresa na tramitação da medida, de acordo com inquérito.

Procurada pela Reuters, a assessoria de Jucá não respondeu de imediato a um pedido de comentário sobre a operação.

A Odebrecht também não respondeu de imediato a um pedido de comentário.

A empresa, que fechou acordos de leniência e delação premiada em que admitiu ter cometido diversas irregularidades e aceitou pagar multas milionárias no âmbito da Lava Jato, afirma sempre ao ser citada nas operações da PF e do MPF que "continua cooperando com as autoridades e está focada no exercício de suas atividades e na conquista de novos projetos".

(Por Pedro Fonseca, no Rio de Janeiro)

Últimas Notícias

Ver mais
STF considera mudança nas 'sobras eleitorais' inconstitucional, mas mantém deputados eleitos em 2022
Brasil

STF considera mudança nas 'sobras eleitorais' inconstitucional, mas mantém deputados eleitos em 2022

Há 5 horas

Bancar privilégio a filhos de diplomatas no exterior inverte objetivos da República, diz Cármen
Brasil

Bancar privilégio a filhos de diplomatas no exterior inverte objetivos da República, diz Cármen

Há 6 horas

STF determina que demissão de concursados em estatais precisa de 'fundamento razoável'
Brasil

STF determina que demissão de concursados em estatais precisa de 'fundamento razoável'

Há 8 horas

STF forma maioria para determinar repercussão geral em julgamento de vínculo entre Uber e motoristas
Brasil

STF forma maioria para determinar repercussão geral em julgamento de vínculo entre Uber e motoristas

Há 9 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais