PF confirma que foram encontrados objetos de indigenista e jornalista inglês desaparecidos

Bruno Pereira e Dom Phillips estão desaparecidos desde o último domingo
 (Agência O Globo/Reprodução)
(Agência O Globo/Reprodução)
A
Agência O Globo

Publicado em 13/06/2022 às 06:26.

Última atualização em 13/06/2022 às 06:27.

O Corpo de Bombeiros do Amazonas afirmou ter encontrado, neste domingo, uma mochila e um par de sandálias na área de busca pelo indigenista Bruno Pereira e o jornalista inglês Dom Phillips, desaparecidos no último domingo. Na noite deste domingo, a Polícia Federal confirmou que foram encontrados uma mochila e documentos pertencentes a dupla.

"Na região onde se concentraram as buscas foram encontrados objetos pessoais pertencentes aos desaparecidos, sendo 1 (um) cartão de saúde em nome do Sr. Bruno Pereira, 1 (um) calça preta pertencente ao Sr. Bruno Pereira, 1 (um) chinelo preto pertencente ao Sr. Bruno Pereira, 1 (um) par de botas pertencente ao Sr. Bruno Pereira, 1 (um) par de botas pertencente ao Sr. Dom Phillips e 1 (uma) mochila pertencente ao Sr. Dom Phillips contendo roupas pessoais.", diz a nota da PF.

O material será encaminhado a perícia. A mochila estava amarrada em uma árvore, em área de igapó, terreno de mata alagada. Segundo o Corpo de Bombeiro, que encontrou o material dentro da mochila, havia um notebook, livros e roupas. Segundo indígenas que acompanhavam as buscas, a mochila pertenceria a um dos dois desaparecidos.

Neste domingo, a União dos Povos Indígenas do Vale do Javari (Unijava) informou em nota que foi encontrada uma possível nova embarcação de Amarildo da Costa Oliveira, o Pelado, suspeito de envolvimento no desaparecimento da dupla. Um local por onde vestígios indicam que um barco pode ter sido arrastado também foi identificado e isolado para análise.

A entidade negou que partes de corpos tenham sido encontrados. A Polícia Federal de Manaus já havia desmentindo o boato no sábado.

Segundo a Unijava, a propriedade da embarcação descoberta ainda precisa ser confirmada pelas autoridades. O local onde um barco teria sido possivelmente arrastado já foi isolado e passará por perícia.

Veja também: O que se sabe uma semana após o desaparecimento de jornalista britânico e indigenista na Amazônia

O desaparecimento da dupla foi alertado pela União dos Povos Indígenas do Vale do Javari (Univaja) nesta segunda-feira. O Vale do Javari é a região com a maior concentração de povos indígenas isolados do mundo.

Uma testemunha chave afirmou ter visto Pelado carregar uma espingarda e fazer um cinto de munições pouco depois que o indigenista Bruno Pereira e o jornalista inglês Dom Phillips deixaram a comunidade de São Rafael com destino à Atalaia do Norte, na manhã do último domingo, data em que foram vistos pela última vez.

De acordo com a narrativa da testemunha, Pelado, a quem a testemunha se referiu como “homem muito perigoso”, já vinha prometendo “acertar contas” com Bruno e afirmou que iria “trocar tiros” com ele tão logo o indigenista aparecesse no local.

Logo depois que Bruno e Phillips deixaram a comunidade, um colega de Pelado foi visto em seu barco com o motor ligado em ponto morto, à espera dele. Outra pessoa também estaria deitada na embarcação, que estava perto de onde Bruno e Phillips desapareceram.

A testemunha contou ainda que, logo mais abaixo no rio Itaquaí, Pelado foi novamente visto no barco, desta vez com mais quatro pessoas, passando em alta velocidade. Depois disso, não foi visto mais. A testemunha disse ainda que não “resta dúvidas” de que ele e os demais foram atrás da embarcação para fazer “algo de ruim” contra a dupla.

VEJA TAMBÉM: Parentes e amigos dos dois desaparecidos na Amazônia pedem resposta no Rio