Brasil

Ex-governador da Paraíba, Ricardo Coutinho é alvo de prisão preventiva

Ricardo Coutinho, do PSB, teve seu nome a incluído na difusão vermelha da Interpol, por estar fora do país

Ricardo Coutinho é o novo governador paraibano (Arquivo/Wikimedia Commons/Divulgação)

Ricardo Coutinho é o novo governador paraibano (Arquivo/Wikimedia Commons/Divulgação)

AO

Agência O Globo

Publicado em 17 de dezembro de 2019 às 10h02.

Última atualização em 17 de dezembro de 2019 às 10h48.

Rio de Janeiro — O ex-governador da Paraíba Ricardo Coutinho (PSB) é alvo de mandado de prisão preventiva na Operação Calvário, deflagrada na manhã desta terça-feira (17) pela Polícia Federal, na Paraíba.

A PF investiga o desvio de recursos públicos destinados a saúde por meio de fraudes em licitações e em concurso público, corrupção e irregularidades no financiamento de campanhas e o superfaturamento em equipamentos, serviços e medicamentos.

São cumpridos 54 mandados de busca e apreensão e 17 mandados de prisão preventiva, nos estados da Paraíba, Rio Grande do Norte, Rio de Janeiro, Goiás e Paraná.

A Polícia Federal diz que um agente político, que ocupou cargo de alto escalão no executivo estadual, encontra-se fora do país, e que foi solicitada a inclusão do seu nome na difusão vermelha da Interpol, mas não cita o nome do ex-governador.

A PF, o Ministério Público Federal (MPF) e Controladoria-Geral da União (CGU) apuram o desvio de R$ 134,2 milhões, sendo R$ 120 milhões que teriam sido destinados a políticos e às campanhas eleitorais de 2010, 2014 e 2018.

De acordo com as investigações da PF, organizações sociais organizaram uma rede de prestadores de serviços terceirizados e de fornecedores, com a celebração de contratos com sobre-preço na gestão dos Hospitais de Trauma, de Mamanguape, e o Metropolitano em Santa Rita.

Segundo a PF, para se blindar da fiscalização do Tribunal de Contas do Estado da Paraíba, a organização pagou vantagens indevidas, valendo-se de contratos de “advocacia preventiva” ou contratos de “advocacia por êxito”, para ocultar ou dissimular a natureza, origem, disposição e movimentação dos valores.

A defesa do ex-governador ainda não se pronunciou sobre a operação da Polícia Federal.

Acompanhe tudo sobre:InterpolParaíbaPolícia FederalPrisões

Mais de Brasil

IPVA e Licenciamento: veja as diferenças e entenda para que serve

Operação Lesa Pátria cumpre 27 mandados judiciais contra envolvidos no 8 de janeiro

Caso Marielle: Ronnie Lessa é transferido de penitenciária federal no MS para Tremembé, em SP

Vice de Nunes será indicado pelo PL, mas prefeito não crava coronel aliado de Bolsonaro

Mais na Exame