Brasil

Parentes e amigos de vítimas de violência fazem ato em SP

Participantes lembraram vítimas e criticaram falta de medidas para segurança da população


	Violência urbana: protesto na zona oeste de São Paulo lembrou vítimas recentes
 (Stock.Xchange)

Violência urbana: protesto na zona oeste de São Paulo lembrou vítimas recentes (Stock.Xchange)

DR

Da Redação

Publicado em 9 de junho de 2013 às 16h50.

São Paulo – Com camisas brancas e cartazes, amigos e parentes das recentes vítimas da violência em São Paulo abraçaram na manhã de hoje (9) a Praça Comendador Manuel Mendes Pimenta, zona oeste paulistana. Foram lembrados os dentistas Alexandre Gaddy e Cinthya Magaly Moutinho. Eles morreram depois de queimados vivos em seus consultórios por assaltantes.

O ato também lembrou a morte de Eduardo Paiva, assassinado em assalto na última segunda-feira (3). Ontem, em novo caso de violência em São Paulo, um analista financeiro foi queimado por assaltantes porque só tinha R$ 100 no bolso e está internado na unidade de terapia intensiva (UTI) de um hospital da capital paulista.

Um dos organizadores do protesto, Décio Galiano Júnior, criticou a sensação de medo em São Paulo. “Eu saio para trabalhar de manhã e não sei se volto. A gente vai para um bar tomar um chope e não sabe se estará seguro dentro do restaurante jantando. É por isso que nós estamos aqui”, disse o representante comercial, que era amigo de infância de Gaddy. “Nós queremos ser escutados, que as pessoas vejam que o povo está se movimentando para conseguir alguma coisa que é obrigação dos políticos”, acrescentou.

Amiga de Cinthya, a jornalista Mônica Formigoni também criticou a falta de medidas para garantir a segurança da população. “Nossos políticos estão lá, andando de carro blindado, com segurança particular. Eles não usam a mesma segurança que eles oferecem à população. Nós, que pagamos impostos, ficamos a mercê de bandidos”, protestou.


Durante o ato, o administrador Roberto Sekya coletou assinaturas para um abaixo-assinado que pede o endurecimento do Código Penal. A iniciativa é do Movimento pelo Fim da Impunidade, que reúne parentes e amigos de vítimas de violência. “A Justiça não funciona no país, as leis são muito brandas, as penas são baixas e existe muito benefício de redução de pena”, disse.

O grupo defende o aumento da pena mínima, de seis para dez anos de reclusão, e também da pena máxima, de 30 para 50 anos de encarceramento. “Antes que você seja a próxima vítima, a sociedade precisa reagir”, conclamou.

A dentista Cinthya Magaly Moutinho de Souza, de 47 anos, teve o corpo queimado no dia 25 de abril, quando os criminosos que invadiram seu consultório descobriram que tinha apenas R$ 30 na contra bancária. No mês seguinte, no dia 27 de maio, em São José dos Campos, Alexandre Peçanha Gaddy¸ de 41 anos, foi queimado quando os criminosos que invadiram seu local de trabalho constataram que ele não tinha dinheiro.

Funcionário do Colégio Sion, Eduardo Paiva foi morto na última segunda-feira (3) por criminosos que queriam os R$ 3 mil que ele havia acabado de sacar em uma agência bancária em Higienópolis, bairro nobre da região central da capital paulista.

Acompanhe tudo sobre:CrimeViolência urbana

Mais de Brasil

Tarcísio estima economia de R$ 1,7 bi por ano com auditoria de aposentadorias e prova de vida

Às vésperas de posse na Petrobras, Magda Chambriard já dá expediente na companhia

PF pede inquérito contra Chiquinho Brazão por suspeita de desvio de emendas parlamentares

Claudio Castro é absolvido após TRE-RJ formar maioria contra cassação

Mais na Exame