País sofre com desabastecimento no 7º dia da greve dos caminhoneiros

Alguns postos de gasolina começaram a ser reabastecidos, mas imediatamente formaram-se filas quilométricas de veículos.

Pessoas formam fila para abastecer em posto em Curitiba, devido à greve dos caminhoneiros (Rodolfo Buhrer/Reuters)

Pessoas formam fila para abastecer em posto em Curitiba, devido à greve dos caminhoneiros (Rodolfo Buhrer/Reuters)

A

AFP

Publicado em 27 de maio de 2018 às 17h59.

Última atualização em 27 de maio de 2018 às 18h01.

O Brasil enfrenta graves problemas de abastecimento neste domingo (27), no sétimo dia da greve dos caminhoneiros contra a alta no preço do diesel, embora o governo diga que a situação está a caminho da normalização.

Para tentar limitar os danos, as autoridades começaram na sexta-feira a escoltar caminhões-tanque para chegar às refinarias, depois de o presidente Michel Temer ter autorizado a mobilização das forças federais, inclusive as Forças Armadas, para liberar as rodovias.

Segundo o último boletim da Polícia Rodoviária Federal, 586 estradas continuavam parcialmente bloqueadas em todo o país na noite de sábado. Praticamente todos os postos estavam sem combustível e os alimentos frescos desapareceram das gôndolas.

"Estamos caminhando no horizonte de normalizar a situação (...) Não é rápido", disse o ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Sergio Etchegoyen, em coletiva de imprensa no sábado.

Mas o tempo urge em um país que tenta deixar para trás uma recessão histórica e onde 60% dos transportes de mercadorias são feitos em caminhões.

Nos cinco primeiros dias, a greve custou mais de 10 bilhões de reais para a economia brasileira, segundo cálculo do jornal Folha de S. Paulo, que compilou estimativas dos principais setores da economia.

Universidades fechadas

Temer autorizou por decreto, também no sábado, a requisição de veículos privados "necessários para o transporte de mercadorias consideradas essenciais pelas autoridades".

"O Brasil não será refém [de nenhum setor], e o governo do presidente Temer está decidido a utilizar todos os seus recursos para garantir isso", advertiu o ministro de Segurança Pública, Raul Jungmann.

A prioridade são aeroportos, termelétricas e retomar o abastecimento de insumos em centros de saúde, onde a paralisação afetou o sistema de transplante de órgãos.

No Rio, o sistema BRT de ônibus articulados que transitam por faixas exclusivas ficou parcialmente interrompido devido à falta de combustível. Linhas de ônibus em vários estados também pararam de funcionar na manhã de sábado devido à falta de abastecimento, mas foram reativadas à noite, com a chegada de caminhões-tanque. No domingo, operavam a 20% de sua capacidade.

As universidades públicas já anunciaram que vão permanecer fechadas na segunda-feira.

Na maioria das grandes cidades do País, apenas um serviço emergencial de ônibus operava no domingo com o objetivo de economizar combustível para a segunda-feira.

Em pelo menos oito dos 27 estados brasileiros, alguns postos de gasolina começaram a ser reabastecidos, mas imediatamente formaram-se filas quilométricas de veículos.

A situação permanece crítica em alguns aeroportos: em 14 deles o querosene de aviação é escasso. O de Brasília recebeu os primeiros caminhões-tanque da tarde de sábado, mas na manhã deste domingo três voos haviam sido cancelados.

Todos contra o governo

Apesar de todos os inconvenientes, o movimento dos caminhoneiros é apoiado por boa parte da população, que critica a gestão da crise por parte do impopular governo Temer.

A cinco meses das eleições presidenciais de outubro, a greve desperta certa simpatia, tanto da direita quanto da esquerda.

Situado em segundo lugar nas pesquisas de intenção de voto, o candidato Jair Bolsonaro (PSL/RJ), se declarou "100% a favor dos caminhoneiros", mas contrário ao bloqueio das estradas.

Parlamentares do PT também expressaram apoio à paralisação, atribuindo à política econômica do governo Temer o aumento nos preços dos combustíveis.

O diesel registra fortes aumentos recentemente, devido à elevação nos preços do petróleo e à nova política comercial da Petrobras, que se alinha desde o fim de 2016 com a cotação internacional.

Durante o governo de Dilma Rousseff (2011-2016), os preços dos combustíveis eram controlados pelo governo. Em 2016, a presidente foi destituída acusada de maquiar as contas públicas e substituída por seu vice, Michel Temer.

Acompanhe tudo sobre:CaminhoneirosCombustíveis

Mais de Brasil

Conflitos por terra batem recorde no Brasil no primeiro ano do governo Lula

Cármen Lúcia mantém condenação de Deltan por Power Point contra Lula

Risco fiscal está 'drenando oportunidades' do Brasil, diz Tarcísio

Fluxo de passageiros para o exterior cresce pelo 24º mês seguido mostra Anac

Mais na Exame