Brasil

Ocupação de leitos de UTI chega a 100% em Natal

Dez pacientes estão em estado grave da covid-19, mas não conseguem vagas em leito de UTI ou semi-intensivo em Natal e Mossoró

Secretário adjunto disse que o sistema de saúde estadual não está em colapso, mas sim "superlotado" (Vitorino Junior/Estadão Conteúdo)

Secretário adjunto disse que o sistema de saúde estadual não está em colapso, mas sim "superlotado" (Vitorino Junior/Estadão Conteúdo)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 12 de maio de 2020 às 08h51.

Última atualização em 12 de maio de 2020 às 14h27.

Com 1.930 casos do novo coronavírus confirmados e 90 mortes, o Rio Grande do Norte está com ocupação máxima dos leitos públicos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) para pacientes graves com covid-19 nas duas principais cidades, Natal e Mossoró. A informação foi confirmada nesta segunda-feira pelo secretário adjunto da Secretaria Estadual de Saúde Pública (Sesap), Petrônio Spinelli.

Segundo ele, dez pacientes estão em estado grave da doença, mas não conseguem vagas em leito de UTI ou semi-intensivo. Destes, dois foram considerados com quadro de saúde "muito grave". "Esses dez casos precisavam estar em hospitais, em UTIs ou leito semicrítico", disse. Hoje, esses pacientes estão em leitos de estabilização (com respirador mecânico) em unidades municipais. Por isso, o secretário adjunto justificou que o Rio Grande do Norte não está em colapso, mas em um estado de "superlotação".

"A diferença é que o colapso representa o momento a partir do qual os pacientes vão chegar em pronto-socorro e hospitais e não vai haver respiradores para atendê-los", afirmou Spinelli. Em Natal, todos os leitos com respiradores mecânicos de hospitais estaduais estão ocupados. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Acompanhe tudo sobre:CoronavírusHospitais públicosNatal (RN)Rio Grande do NorteSUS

Mais de Brasil

Adaptação das cidades à crise climática exige mudança de paradigma, dizem especialistas

Bairros, empreendimentos e cidades inteligentes

Enchentes no RS: mais de 76 mil pessoas estão em abrigos; 155 mortes e 94 desaparecidos

Presidente da Anatel defende que órgão regule as plataformas digitais

Mais na Exame