Brasil

Número de atendimentos médicos no Sambódromo chega a 543

Segundo dia de desfiles das escolas de samba da Série A registrou 344 atendimentos no Rio

Primeiro dia de desfile das escolas de samba da Série A, antigo Grupo de Acesso, na Marquês Sapucai, Rio de Janeiro (Fernando Frazão/Agência Brasil)

Primeiro dia de desfile das escolas de samba da Série A, antigo Grupo de Acesso, na Marquês Sapucai, Rio de Janeiro (Fernando Frazão/Agência Brasil)

DR

Da Redação

Publicado em 2 de março de 2014 às 16h38.

Rio de Janeiro - O segundo dia de desfiles das escolas de samba da Série A, no Rio de Janeiro, registrou 344 atendimentos médicos nos postos do Sambódromo e do Terreirão do Samba, informou a Secretaria Municipal de Saúde. Desse total, seis pacientes foram transferidos para unidades de emergência da rede municipal.

Foi grande a procura nos nove postos de saúde montados pela prefeitura na Passarela do Samba e em seu entorno. O que apresentou maior demanda foi o posto do setor 2, localizado ao lado do primeiro recuo da bateria, acrescentou a secretaria. No local, foram atendidos 61 pacientes e feita uma remoção.

Somando os dois dias de desfiles da Série A na Passarela do Samba, na última sexta-feira (28) e ontem (1º), foram feitos 543 atendimentos, sendo 13 pessoas transferidas para hospitais da prefeitura. De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde, as principais causas dos atendimentos foram desidratação, dor de cabeça e mal-estar .

No ano passado, a secretaria fez 2.617 atendimentos nos nove postos instalados no Sambódromo e no Terreirão do Samba. O número superou em 5% o resultado apurado no carnaval de 2012, quando 2.493 pessoas receberam assistência.

Acompanhe tudo sobre:CarnavalEscolas de sambaSaúdeSaúde no Brasil

Mais de Brasil

Prefeitura de SP vai fechar parques quando houver previsão de chuvas fortes

Secretária executiva do MEC, Izolda Cela comunica saída da pasta

Base de Canoas passará a ter dez voos por dia, anuncia governo

Paraná Pesquisas: em SP, Nunes tem 28,1%; Boulos, 24,2%; Datena, 12,1%; e Tabata, 9,1%

Mais na Exame