Brasil

Novo ensino médio: MEC decide prorrogar consulta pública por mais 30 dias

O pedido de prorrogação feito por entidades educacionais com o objetivo ampliar as formas de participação social no debate sobre o tema. A ampliação foi oficializada na segunda-feira, 5

Novo ensino médio: A ampliação foi oficializada na segunda-feira,  (foto/Agência Brasil)

Novo ensino médio: A ampliação foi oficializada na segunda-feira, (foto/Agência Brasil)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 6 de junho de 2023 às 15h40.

O Ministério da Educação (MEC) decidiu prorrogar a Consulta Pública para Avaliação e Reestruturação da Política Nacional de Ensino Médio por mais trinta dias, conforme antecipou o Estadão. Com o anúncio feito pela pasta na manhã desta terça-feira, 6, o prazo irá até 5 de julho.

O pedido de prorrogação feito por entidades educacionais com o objetivo ampliar as formas de participação social no debate sobre o tema. A ampliação foi oficializada na segunda-feira, 5.

"A decisão atende a uma solicitação de instituições que colaboram com o Ministério da Educação na realização da consulta: o Conselho Nacional de Educação (CNE), o Fórum Nacional de Educação (FNE), o Fórum Nacional dos Conselhos Estaduais e Distrital de Educação (Foncede) e o Conselho Nacional dos Secretários de Educação (Consed)", disse em comunicado.

Por meio de carta conjunta, elas solicitaram ao ministro da Educação, Camilo Santana, a prorrogação da consulta, "a fim de que sejam garantidas as condições necessárias para aplicação de todos os instrumentos de escuta e a mais ampla participação social".

Para o MEC, o pedido oferece a oportunidade de participação a todos que ainda queiram contribuir com o debate público. "Atende portanto, ao interesse público e, por esse motivo, a ampliação foi acolhida pela Secretaria de Articulação Intersetorial e com os Sistemas de Ensino (Sase) do Ministério, incumbida de coordenar o processo", disse a pasta.

O que é o novo ensino médio? E o que é a reforma do ensino médio?

É uma mudança no formato do ensino médio (1º, 2º e 3º anos), aprovada em 2017, a ser seguida por todas as escolas do País, sendo públicas ou particulares. Cerca de 60% da carga horária passa a ser de conteúdos obrigatórios comum a todos, como Português, Matemática e Química. O restante (40%) é a parte flexível, com percursos optativos segundo o interesse do aluno ou uma formação técnica. O jovem pode, por exemplo, fazer curso técnico em Eletrônica ou aprofundamento de estudos em Linguagens durante o ensino médio, além da carga obrigatória.

Por que foi feita a mudança?

O argumento era de que o modelo anterior (com 13 disciplinas obrigatórias) era engessado e desinteressante ao jovem. No ensino médio, 90% dos concluintes saem sem saber o que se espera em Matemática e 60%, em Português. Além disso, há altos índices de abandono e a abertura da carga flexível serve ainda como oportunidade de abrir espaço para a formação técnica, muito valorizada, por exemplo, em países europeus.

Quem define os itinerários formativos?

A reforma deu liberdade para que as redes de ensino ou até as próprias escolas, no caso das particulares, definissem seus itinerários formativos, conforme os interesses dos alunos e a disponibilidade de recursos. É permitido às escolas, por exemplo firmar parcerias com outras instituições (institutos federais, por exemplo), para ofertar essa carga horária flexível.

Acompanhe tudo sobre:Ensino médioMEC – Ministério da EducaçãoCamilo Santana

Mais de Brasil

Governo cria sistema de emissão de carteira nacional da pessoa com TEA

Governo de SP usará drones para estimar número de morte de peixes após contaminação de rios

8/1: Dobra número de investigados por atos golpistas que pediram refúgio na Argentina, estima PF

PEC que anistia partidos só deve ser votada em agosto no Senado

Mais na Exame