Brasil
Acompanhe:

Norte e Sudeste deverão ter chuvas acima da média em dezembro, aponta Inmet

Vinda do Sul, nova frente fria deverá chegar ao Sudeste na próxima semana e trazer mais chuvas para a região

Chuva: veja previsão para o mês de dezembro (Allison Sales/FotoRua/NurPhoto/Getty Images)

Chuva: veja previsão para o mês de dezembro (Allison Sales/FotoRua/NurPhoto/Getty Images)

A
Agência O Globo

Publicado em 8 de dezembro de 2022, 07h11.

Última atualização em 8 de dezembro de 2022, 08h22.

Dezembro deverá ter chuvas acima da média em boa parte do país, principalmente nas regiões Norte e Sudeste, segundo meteorologistas do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). As projeções do órgão mostram ainda que o Nordeste do Brasil deverá ter chuvas dentro do esperado, e o Sul, que sofreu com enchentes e desabamentos nas duas últimas semanas, terá menos precipitação que o normal.

Quer receber os fatos mais relevantes do Brasil e do mundo direto no seu e-mail toda manhã? Clique aqui e cadastre-se na newsletter gratuita EXAME Desperta.

No norte, as chuvas serão mais fortes no Amapá, parte do Pará e Roraima, segundo os dados estatísticos reunidos pelo Inmet.

— Na região Centro-Oeste, tende a ficar com chuvas acima da média no nordeste do Mato Grosso e leste de Goiás.

Na região Sudeste, outro estado que deverá ter mais precipitação que o normal é o Rio de Janeiro:

— Para o Rio, há perspectiva de chuva acima da média em praticamente todo o estado. Temos tidos os últimos dias com bastante chuvas, com bastante instabilidade, o que alimenta e mantém as chuvas no Rio e no Sul de Minas — explica Ramos.

A atual frente fria que chegou no Sudeste nos últimos dias e trouxe chuva para o Rio e São Paulo já se move em direção ao Espirito Santo, norte de Minas Gerais e sul da Bahia. Na semana que vem, no entanto, uma nova frente fria deve chegar à região:

— A partir do dia 11 vai passar uma nova frente fria pela região Sul, que deve chegar no Sudeste no dia 13 ou 14. Devemos ter dois dias meio complicados e podemos ter pancadas de chuvas mais fortes — explica o meteorologista Marcio Cataldi, professor da Universidade Federal Fluminense (UFF).