Acompanhe:

No MS, candidatos encerram campanha com provocações

"Fomos alvos de uma campanha difamatória e criminosa promovida pelo candidato do PT, mas as pesquisas indicam nossa vitória", avaliou o tucano Reinaldo Azambuja

Modo escuro

Continua após a publicidade

	Delcídio do Amaral (PT): "Discutimos propostas, enquanto o adversário baixou o nível e usou ataques rasteiros", disse ele
 (Ricardo Stuckert/Instituto Lula/Divulgação)

Delcídio do Amaral (PT): "Discutimos propostas, enquanto o adversário baixou o nível e usou ataques rasteiros", disse ele (Ricardo Stuckert/Instituto Lula/Divulgação)

J
José Maria Tomazela

Publicado em 25 de outubro de 2014 às, 15h24.

Campo Grande - Na véspera da votação, os candidatos ao governo de Mato Grosso do Sul, Delcídio do Amaral, do PT, e Reinaldo Azambuja, do PSDB, mantiveram os ataques mútuos que marcaram a campanha no segundo turno.

"Discutimos propostas, enquanto o adversário baixou o nível e usou ataques rasteiros", disse Delcídio, durante caminhada, no início da tarde deste sábado (25), na região central.

"Fomos alvos de uma campanha difamatória e criminosa promovida pelo candidato do PT, mas as pesquisas indicam nossa vitória", avaliou o tucano.

Azambuja fez carreata em Maracaju, sua terra natal, e encerrou os atos de rua no centro de Campo Grande, à pequena distância do grupo de militantes do PT, que aguardava a chegada de uma carreata de Delcídio, após percorrer bairros da capital.

Os dois lados trocaram provocações. Um petista arrancou uma bandeira do carro de um simpatizante tucano. Ocupantes de um carro com adesivos do adversário dispararam um rojão contra o grupo de militantes do PT, mas ninguém ficou ferido.

Últimas Notícias

Ver mais
Quais as investigações contra Bolsonaro no STF?
Brasil

Quais as investigações contra Bolsonaro no STF?

Há 6 horas

Como registrar uma marca no INPI? Passo a passo para produto ou serviço
Guia do Cidadão

Como registrar uma marca no INPI? Passo a passo para produto ou serviço

Há 8 horas

Dino vai herdar 344 processos no STF; veja os principais
Brasil

Dino vai herdar 344 processos no STF; veja os principais

Há 8 horas

Dino pode ficar 20 anos no STF e se aposentar em 2044
Brasil

Dino pode ficar 20 anos no STF e se aposentar em 2044

Há 8 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais