Brasil

Musk diz que não fará restrições determinadas pela Justiça e futuro do X no Brasil está em risco

"Provavelmente perderemos todas as receitas no Brasil e teremos que fechar nosso escritório lá", apontou Musk

Luciano Pádua
Luciano Pádua

Editor de Macroeconomia

Publicado em 6 de abril de 2024 às 20h56.

Última atualização em 6 de abril de 2024 às 21h02.

O bilionário Elon Musk, CEO do X (antigo Twitter), disse nesse sábado que reverterá todas as restrições determinadas pela Justiça brasileira a contas banidas.

"Estamos levantando todas as restrições. Este juiz aplicou multas pesadas, ameaçou prender nossos funcionários e cortou o acesso ao X no Brasil. Como resultado, provavelmente perderemos todas as receitas no Brasil e teremos que fechar nosso escritório lá. Mas os princípios são mais importantes do que o lucro", postou Musk, em referência ao ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre Moraes

Mais cedo, Musk retuitou um post do jornalista norte-americano Michael Shellenberger , no qual ele acusa que “o Brasil de estar envolvido em um caso de ampla repressão da liberdade de expressão liderada pelo ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Alexandre de Moraes”. 

Em suma, o jornalista aponta que decisões de Moraes no Tribunal Superior Eleitoral ameaçam a democracia no Brasil. 

Na sequência, Musk perguntou na rede social: "Por que você está fazendo isso, Alexandre", questionou, marcando o perfil do magistrado.

Bloqueio de contas

Em outra conta oficial do X, que trata de assuntos institucionais da companhia globalmente, a empresa informou que a "X Corp. foi forçada por decisões judiciais a bloquear determinadas contas populares no Brasil".

"Informamos a essas contas que tomamos tais medidas.  Não sabemos os motivos pelos quais essas ordens de bloqueio foram emitidas.  Não sabemos quais postagens supostamente violaram a lei.  Estamos proibidos de informar qual tribunal ou juiz emitiu a ordem, ou em qual contexto", diz o post. 

Segundo o X, a empresa está proibida de informar quais contas foram afetadas. 

"Somos ameaçados com multas diárias se não cumprirmos a ordem. Não acreditamos que tais ordens estejam de acordo com o Marco Civil da Internet ou com a Constituição Federal do Brasil e contestaremos legalmente as ordens no que for possível. O povo brasileiro, independentemente de suas crenças políticas, têm direito à liberdade de expressão, ao devido processo legal e à transparência por parte de suas próprias autoridades", diz o post.

Procurado, o TSE ainda não retornou à reportagem. O espaço segue aberto.

Acompanhe tudo sobre:TwitterTSESupremo Tribunal Federal (STF)

Mais de Brasil

Rio Grande Sul voltará a enfrentar chuvas fortes e massa de ar polar nesta semana, alerta Inmet

Rio de Janeiro recebe FII PRIORITY Summit com o tema “Investir com Dignidade”

CCR retoma cobrança de pedágio na ViaSul e restabelece ligação entre Porto Alegre e interior

Governo de SP e 305 municípios atendidos pela Sabesp aprovam novo contrato para privatização

Mais na Exame