Brasil

Múcio vai à Câmara e pede ajuda de deputados para aprovar PEC que aumenta orçamento da Defesa

Proposta de Emenda à Constituição prevê o aumento gradual do percentual do orçamento de 1,2% para 2% do PIB destinado pelo governo às Forças Armadas

José Múcio Monteiro: ministro da defesa pede apoio para aumento de verba para Forças Armadas (Gabriela Korossy/Câmara dos Deputados/Reprodução)

José Múcio Monteiro: ministro da defesa pede apoio para aumento de verba para Forças Armadas (Gabriela Korossy/Câmara dos Deputados/Reprodução)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 17 de abril de 2024 às 12h50.

O ministro da Defesa, José Múcio Monteiro, foi à Câmara dos Deputados pedir apoio dos parlamentares para a aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que prevê o aumento gradual do percentual do orçamento de 1,2% para 2% do PIB destinado pelo governo às Forças Armadas. Atualmente, o orçamento da Defesa é de 1,1% do PIB.

Mucio admitiu, inclusive, que pode negociar um percentual menor do que os 2% propostos pelo texto da PEC: "O que eu mais precisava de ajuda dos senhores era a pec da previsibilidade. Acho que 2% é muito grande, visto que nós não temos conflitos. A Ucrânia deve ter todo orçamento em guerra, os países em conflito todo orçamento em equipamento de defesa, mas no nosso caso precisamos apenas manter a integridade de nossas forças para uma eventual necessidade de elas serem usadas com dignidade que é o que nós merecemos", afirmou.

O ministro foi à Câmara Deputados nesta quarta-feira, 17, para apresentar as prioridades da pasta em 2024 na Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional. A presença do ministro no Congresso atende aos requerimentos dos deputados Lucas Redecker (PSDB-RS) e Albuquerque (Republicanos-RR).

O ministro está acompanhado do comandante do Exército, Tomás Paiva, da Marinha, Marcos Olsen, e da Aeronáutica, Marcelo Kanitz Damansceno. Além de apresentar um balanço das atividades do ministério em 2023, fez uma defesa enfática sobre necessidade de aprovação do texto que amplia o orçamento das Forças Armadas.

Junto com a aprovação da PEC dos Militares, que proíbe que militares na ativa se candidatem em eleições e impede que retornem aos quartéis após as campanhas, o texto está entre as principais prioridades de Múcio para 2024.

"Nós estamos precisando de previsibilidade. E quando cheguei aqui cedo, disse que precisava da ajuda dos senhores. Não temos bancadas de deputados ou senadores. Somente os senhores poderão ajudar, criticar e contribuir com o que estamos precisando. O que estamos precisando? Não só honrar nossos compromissos como dotar nossas Forças Armadas de equipamentos que façam com que tenhamos umas Forças Armadas do tamanho das nossas potencialidades e riquezas", defendeu o ministro.

Embora tenha sido apresentada pelo senador Carlos Portinho (PL-RJ), líder do partido do ex-presidente Jair Bolsonaro, o texto conta com apoio do governo, está sendo articulado por Mucio e atualmente está na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Casa à espera da definição de relator. A PEC começará a tramitar pelo Senado e, se aprovada, será apreciada pela Câmara.

A PEC prevê a destinação de um percentual mínimo de 1,2% do PIB às Forças Armadas no primeiro ano de vigência, com aumento anual até chegar a 2%. Caso o patamar mínimo já estivesse em vigor, por exemplo, o orçamento deste ano do Ministério da Defesa subiria dos atuais R$ 126,6 bilhões para R$ 130,8 bilhões.

Acompanhe tudo sobre:Ministério da DefesaPIB do BrasilOrçamento federal

Mais de Brasil

Tarcísio vai aos EUA para vender R$ 220 bilhões em concessões

Após tornado e volta da chuva, Rio Grande do Sul tem registro de tremores de terra; entenda

Chuvas no RS: Defesa Civil alerta para novas 'inundações severas' no estado

Polícia prende ao menos 60 suspeitos por crimes como assaltos e saques em meio às chuvas no RS

Mais na Exame