Acompanhe:

Mourão diz que filho tem 'mérito'; indicação não viola regra de nepotismo

Filho do vice-presidente foi nomeado assessor especial da presidência do Banco do Brasil com salário três vezes maior do que recebia

Modo escuro

Continua após a publicidade
Hamilton Mourão: Vice-presidente afirma que Antonio foi perseguido por ser seu filho (Adriano Machado/Reuters)

Hamilton Mourão: Vice-presidente afirma que Antonio foi perseguido por ser seu filho (Adriano Machado/Reuters)

E
Estadão Conteúdo

Publicado em 8 de janeiro de 2019 às, 17h44.

Última atualização em 8 de janeiro de 2019 às, 19h33.

O vice-presidente Hamilton Mourão afirmou nesta terça-feira, 8, que o filho, Antonio Hamilton Rossell Mourão, foi promovido por ter "mérito". Antes assessor empresarial da área de agronegócios do Banco do Brasil, o filho do general da reserva foi nomeado assessor especial da presidência do Banco do Brasil com o salário três vezes maior do que recebia, informou a Coluna do Broadcast. "(Meu filho) possui mérito e foi duramente perseguido anteriormente por ser meu filho", afirmou Mourão à reportagem.

Rossell Mourão é funcionário de carreira do Banco do Brasil, com 18 anos de experiência dentro da instituição. Com a posse da nova gestão, sob o comando de Rubem Novaes, foi promovido a assessor especial da presidência. Ele trabalhará em contato direto com o novo presidente da instituição. Apesar do tempo de casa, o salto na carreira foi visto com estranheza por pessoas de dentro do banco.

O novo posto equivale a uma cadeira de um executivo no banco com um salário de cerca de R$ 36 mil. Na prática, seu salário triplicou. A renda do posto anterior gira entre R$ 12 mil e R$ 14 mil, dependendo da carga horária de seis ou oito horas. O novo vencimento do filho do vice-presidente da República será maior até mesmo do que o salário do pai, o segundo maior cargo do Executivo, que hoje é de R$ 27,8 mil.

STF

Segundo o professor Carlos Ary Sundfeld, que dá aulas de Direito Público na Fundação Getúlio Vargas (FGV), a indicação não se enquadra nos casos em que a Justiça considera nepotismo. Para isso, seria necessário que o funcionário tivesse sido nomeado pelo próprio parente para exercer cargo na mesma instituição pública. O critério é uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), de 2008, sobre o assunto.

"O Banco do Brasil e a União federal não são a mesma pessoa jurídica, então, rigorosamente, pela súmula do Supremo, não há uma proibição", explica Sundfeld. Ele diz, ainda, que seria necessário acompanhar o trabalho do filho do vice-presidente no dia-a-dia para saber se a nomeação foi injustificada. "No caso concreto aí, o vice-presidente não tem poder formal nenhum, não é ele que nomeia. Seria uma coisa muito indireta. De qualquer modo, não dá para ficar especulando sobre as razões que fazem o presidente do Banco do Brasil escolher um dos funcionários de carreira do banco para ser assessor."

Nota

O Banco do Brasil confirmou a nomeação do filho do vice-presidente Hamilton Mourão, Antonio Hamilton Rossell Mourão. O banco explica, em nota à imprensa, que o cargo é de "livre provimento da Presidência do BB e a nomeação atende aos critérios previstos em normas internas e no estatuto do Banco".

Novaes afirmou, em nota, que o funcionário Antônio Hamilton possui "excelente formação e capacidade técnica". "Antônio é de minha absoluta confiança e foi escolhido para minha assessoria, e nela continuará, em função de sua competência. O que é de se estranhar é que não tenha, no passado, alcançado postos mais destacados no Banco", destacou o novo presidente do BB.

Antônio Hamilton, conforme informações do BB, é funcionário com 18 anos de casa e trabalhava há 11 anos como assessor na Diretoria de Agronegócios. Formado em Administração de Empresas, Rossell Mourão possui pós-graduações em Agronegócios e em Desenvolvimento Sustentável.

Últimas Notícias

Ver mais
Por que este banco é o mais recomendado por analistas de outros bancos
seloMercados

Por que este banco é o mais recomendado por analistas de outros bancos

Há 12 horas

Banco do Brasil está entre maiores investidores institucionais do ETF de bitcoin da BlackRock
Future of Money

Banco do Brasil está entre maiores investidores institucionais do ETF de bitcoin da BlackRock

Há 3 dias

"Startup de 215 anos", Banco do Brasil vê Drex como "segundo passo para a bancarização"
Future of Money

"Startup de 215 anos", Banco do Brasil vê Drex como "segundo passo para a bancarização"

Há 5 dias

Banco do Brasil leiloa imóveis comerciais com lances mínimos até 70% abaixo do valor de mercado
seloMercado imobiliário

Banco do Brasil leiloa imóveis comerciais com lances mínimos até 70% abaixo do valor de mercado

Há 2 semanas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais