Acompanhe:

Após o Ministério da Saúde registrar 363 mortes de indígenas Ianomâmis em 2023, número superior aos 343 óbitos do último ano do governo de Jair Bolsonaro, a gestão Lula anunciou a construção do primeiro hospital indígena em Boa Vista, Roraima. As obras devem começar ainda neste ano, segundo o governo, mas ainda não há previsão de início.

De acordo com a ministra dos Povos Indígenas, Sonia Guajajara, o número de óbitos por desnutrição e malária e notificações de doença na região nos últimos anos pode ser ainda maior devido à subnotificação, causada pela ausência do Estado e profissionais de saúde e pela desativação dos polos base — sete unidades foram encontradas desativadas em 2023 pelo governo.

— Entedemos que um ano não foi suficiente para a gente resolver todas as situações instaladas ali, com a presença de quase 30 mil garimpeiros convivendo diretamente no território, aliciando e violentando os indígenas e impedindo que as equipes de saúde chegassem — reconheceu a ministra.

Após fracasso na retirada dos garimpeiros ilegais do território indígena Yanomami, em Roraima, o governo decidiu que a presença das Forças Armadas e Polícia Federal passa a ser definitiva na região a partir de 2024. De acordo com Guajajara, muitos invasores voltaram para a região após o término das operações.

A ministra dos Povos Indígenas admitiu que o modelo emergencial adotado pela gestão em 2023, com operações ocasionais, permitiu a volta dos garimpeiros. Questionado sobre a quantidade de invasores que retornaram ou sequer saíram do território, o governo não soube responder.

O secretário de Saúde Indígena, Ricardo Weibe Tapeba, afirmou que o hospital indígena terá um atendimento pensado para a população, com redários e intérpretes. A construção do hospital indígena integra um conjunto de ações da gestão Lula para tentar reverter o cenário de emergência na terra Yanomami.

Também estão no pacote a construção e reforma de 22 unidades básicas de saúde indígenas e a nova Casa de Governo em Boa Vista, que terá a presença de representates locais de 13 ministérios.

— Quando chegamos em campo, identificamos um número de desnutrição e óbitos muito superior ao que os nossos dados apresentavam. Se os polos estão fechados e não há profissionais de saúde, não conseguimos notificar os óbitos. Nós sabemos que ainda há subnotificação, mas agora sabemos onde está — disse a secretária nacional de Vigilância em Saúde, Ethel Maciel. Segundo a secretária, seis dos sete polos foram reabertos.

Também será papel da casa de governança dialogar com o estado e municípios e apresentar alternativas de renda para a população de Roraima, dependência encarada como desafio pelo governo. Toda a operação deve custar R$ 1,2 bilhões ao governo, valor que será extraído de orçamento excepcional.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Pagamento do 13º dos aposentados começa neste mês; veja calendário
seloMinhas Finanças

Pagamento do 13º dos aposentados começa neste mês; veja calendário

Há 4 horas

Governo prepara nova megaoperação na terra indígena Yanomami
Brasil

Governo prepara nova megaoperação na terra indígena Yanomami

Há 4 horas

Governo sanciona nova lei que favorece réu em caso de empate nos julgamentos em matéria penal
Brasil

Governo sanciona nova lei que favorece réu em caso de empate nos julgamentos em matéria penal

Há 4 horas

Distribuição total ou parcial dos dividendos retidos da Petrobras divide ministros de Lula
Economia

Distribuição total ou parcial dos dividendos retidos da Petrobras divide ministros de Lula

Há 4 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais