Acompanhe:

Morre Alessandro Oliveira, substituto de Deltan na Lava Jato de Curitiba

Ele enfrentava problemas de saúde após sofrer AVC; procurador havia substituído Deltan Dallagnol no comando da força-tarefa, que foi absorvida no Gaeco do Paraná

Modo escuro

Continua após a publicidade
Coordenador da Lava Jato Alessandro Oliveira (YouTube/Reprodução)

Coordenador da Lava Jato Alessandro Oliveira (YouTube/Reprodução)

A
Agência O Globo

Publicado em 20 de maio de 2021 às, 21h29.

Última atualização em 21 de maio de 2021 às, 09h49.

O coordenador da Lava-Jato de Curitiba, o procurador Alessandro Oliveira, morreu nesta quinta-feira, aos 45 anos. Segundo fontes próximas ao procurador, ele enfrentava problemas de saúde após ter sofrido um acidente vascular cerebral e também havia descoberto um câncer. Passou os últimos dias internado, mas não resistiu. A morte não tem relação com a Covid-19.

Alessandro Oliveira havia substituído Deltan Dallagnol em setembro de 2020 como coordenador da força-tarefa da Lava-Jato de Curitiba. Após a extinção da força-tarefa e sua absorção por um novo órgão, o Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado), Alessandro passou a comandar o núcleo da Lava-Jato dentro do Gaeco.

Ele aceitou o desafio de assumir a força-tarefa em um momento de diversas derrotas da Lava-Jato perante o Judiciário, que culminou na anulação dos processos contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Sob sua batata, a força-tarefa adquiriu um estilo mais discreto, mas continuou aprofundando as investigações sobre corrupção nos outros escalões da Petrobras. Foram deflagradas cinco novas operações, sendo a última delas a 80ª fase, realizada em fevereiro deste ano.

Membro do Ministério Público Federal desde 2004, o procurador era um dos mais antigos em atividade no Ministério Público Federal no Paraná. Respeitado e elogiado por seus colegas, tinha um estilo calmo e conciliador na condução dos trabalhos.

Oliveira auxiliou o grupo da Lava-Jato na Procuradoria-Geral da República (PGR) durante as gestões de Raquel Dodge e Augusto Aras, antes de assumir o comando da força-tarefa de Curitiba. Ele já havia enfrentado alguns problemas de saúde antes de aceitar esse novo desafio, mas, ainda assim, avaliou na ocasião que precisava encarar a nova missão da Lava-Jato como uma forma de não permitir o fim das investigações.

Em nota, o procurador-geral da República Augusto Aras lamentou a morte do procurador. "O colega Alessandro fará falta neste momento em que estamos institucionalizando as forças-tarefas. Sua competência, dedicação, ponderação e lealdade ao MPF são exemplos a serem seguidos", afirmou.

Entenda como as decisões da Câmara e do Senado afetam seus investimentos. Assine a EXAME.

Últimas Notícias

Ver mais
Operação Lesa Pátria: PF deflagra nova fase com 34 mandados judiciais contra financiadores do 8/1
Brasil

Operação Lesa Pátria: PF deflagra nova fase com 34 mandados judiciais contra financiadores do 8/1

Há 7 horas

Após 4 anos, STF arquiva inquérito que mirava Aécio por supostas propinas da OAS
Brasil

Após 4 anos, STF arquiva inquérito que mirava Aécio por supostas propinas da OAS

Há um dia

Advogados de Bolsonaro negam confissão sobre minuta de golpe
Brasil

Advogados de Bolsonaro negam confissão sobre minuta de golpe

Há um dia

PMs do Brasil perderam 30 mil policiais em uma década
Brasil

PMs do Brasil perderam 30 mil policiais em uma década

Há 2 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais