Acompanhe:

Mantega nega encontro e pedido de R$ 5 milhões para Eike

Criminalista que defende o ex-ministro da Fazenda disse que ele negou ter se encontrado com Eike Batista e pedido R$ 5 milhões

Modo escuro

Continua após a publicidade

	Guido Mantega: para advogado, Eike agiu como colaborador da Justiça em busca de benefícios
 (AFP)

Guido Mantega: para advogado, Eike agiu como colaborador da Justiça em busca de benefícios (AFP)

R
Ricardo Brandt, Fausto Macedo, Julia Affonso e Mateus Coutinho

Publicado em 22 de setembro de 2016 às, 14h06.

São Paulo - O criminalista José Roberto Batochio, defensor de Guido Mantega, disse nesta quinta-feira, 22, que o ex-ministro da Fazenda "nega peremptoriamente qualquer tipo de diálogo com o empresário Eike Batista". Segundo Batochio, o ex-ministro da Fazenda afirmou a ele que "nunca conversou" com Eike.

O ex-ministro foi preso com base na acusação do empresário que afirma ter repassado US$ 2,3 milhões para o PT a pedido de Mantega. Nesta quinta, o ex-ministro foi preso pouco antes de 7 horas da manhã no hospital Albert Einstein, em São Paulo, onde acompanhava a mulher em um procedimento cirúrgico.

Ele foi levado à sede da Polícia Federal, mas não chegou a depor. Seria transferido para a PF em Curitiba, base da Lava Jato. Antes disso, porém, o juiz Sérgio Moro revogou a ordem de prisão temporária do ex-ministro.

"Não houve nenhum encontro com Eike. O ministro Mantega assegura que jamais tratou com o senhor Eike sobre contribuição de campanha, sobre pagamento de despesas eleitorais. Portanto, o depoimento desse empresário é absolutamente falso", reagiu o criminalista José Roberto Batochio.

Na avaliação do advogado de Mantega, Eike Batista "percebeu que estava sendo investigado e, possivelmente, seria alcançado pela mão da Polícia Federal".

"Então, procurou espontaneamente o Ministério Público Federal e fez um escambo, 'se não me prenderem posso acusar alguém importante'", afirmou Batochio.

Eike não fez delação premiada, mas para Batochio o empresário agiu como colaborador em busca de benefícios.

O advogado fez uma ironia com o fato de, ao denunciar Lula por corrupção e lavagem de dinheiro, a Procuradoria da República classificar o governo do petista de propinocracia.

"Essa violência contra Guido Mantega mostra que a delação premiadocracia produz deformidades monstruosas. É preciso acabar com a delação premiadocracia ou vamos entrar numa conflagração social.", disse.

"As liberdades individuais e as garantias pessoais estão sequestradas no Brasil e o cativeiro é o Paraná (sede da Lava Jato). Urge libertar as liberdades."

Últimas Notícias

Ver mais
Corregedoria afasta servidores da área de inteligência do presídio federal de Mossoró
Brasil

Corregedoria afasta servidores da área de inteligência do presídio federal de Mossoró

Há 3 horas

Pacheco diz que Senado não pode 'compactuar' com comparação de ação de Israel a Holocausto
Brasil

Pacheco diz que Senado não pode 'compactuar' com comparação de ação de Israel a Holocausto

Há 3 horas

Helicóptero cai em Barueri, na Grande SP, e deixa ao menos sete feridos; veja vídeo
Brasil

Helicóptero cai em Barueri, na Grande SP, e deixa ao menos sete feridos; veja vídeo

Há 4 horas

Em Haia, Brasil critica Israel por 'anexação ilegal e inaceitável' de territórios palestinos
Brasil

Em Haia, Brasil critica Israel por 'anexação ilegal e inaceitável' de territórios palestinos

Há 4 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais