Brasil

No ABC, Lula se diz tranquilo e garante que lutará até morrer

O ex-presidente acompanha o julgamento do TRF4 no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC

Ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva: restaurante faz promoção baseada em resultado do julgamento (Ricardo Moraes/Reuters)

Ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva: restaurante faz promoção baseada em resultado do julgamento (Ricardo Moraes/Reuters)

Valéria Bretas

Valéria Bretas

Publicado em 24 de janeiro de 2018 às 11h34.

Última atualização em 24 de janeiro de 2018 às 12h18.

São Paulo - O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva acompanha o julgamento da apelação de sua defesa à 8ª Turma do  Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo.

Em discurso a centenas de sindicalistas, ele afirmou que está "tranquilo" sobre o resultado do julgamento de segunda instância de sua condenação e assegurou que seguirá "lutando" até o dia em que morrer.

"Estou tranquilo, tenho certeza que não cometi nenhum crime, e a única decisão é eles, por 3 a 0, dizerem que o juiz (Sérgio) Moro errou ao dar a sentença", declarou Lula no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo.

Lula é acusado de ter recebido propina da empreiteira OAS por meio de um apartamento triplex no Guarujá, litoral de São Paulo, como contrapartida a contratos fechados com a Petrobras que favoreciam a construtora. Segundo o Ministério Público (MP), Lula teria recebido 3,7 milhões de reais da OAS, que teria pagado um total de 87,6 milhões por baixo da mesa a políticos e funcionários públicos.

"As pessoas que me julgaram estão com a consciência menos limpa do que a minha", disse o ex-presidente.

Desde às 8h30 desta quarta-feira (24), os desembargadores do TRF4 analisam os recursos da defesa de Lula contra a sentença do juiz Sergio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba, que o condenou a  9 anos e seis meses de prisão. 

Veja o que disse o ex-presidente:

 

Mais de Brasil

Vai ter greve do Metrô amanhã? Sindicato se reúne nesta terça para decidir sobre paralisação

Sobe para 161 número de mortos devido às fortes chuvas no RS; veja serviços parados

Exército reduz de 5 para 1 o total de fuzis que PMs podem 'ter em casa'

Comissão da Câmara deve votar convite para ouvir Elon Musk

Mais na Exame