Brasil

Lula defende Lei Rouanet e volta a criticar Bolsonaro ao sancionar Sistema Nacional de Cultura

Presidente tem se referido ao sistema como o "SUS da Cultura", numa alusão ao Sistema Único de Saúde

Lula: governo atual enfrenta muitos desafios em diversos setores (Ricardo Stuckert / PR/Divulgação)

Lula: governo atual enfrenta muitos desafios em diversos setores (Ricardo Stuckert / PR/Divulgação)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 5 de abril de 2024 às 19h07.

Última atualização em 5 de abril de 2024 às 19h17.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) criticou nesta quinta-feira, 4, a política de Cultura do governo do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL). "Quando a ignorância comandava o nosso país, falavam que artista era vagabundo", disse o presidente durante o evento de sanção ao projeto que institui o Sistema Nacional de Cultura (SNC).

O governo tem se referido ao sistema como o "SUS da Cultura", numa alusão ao Sistema Único de Saúde. No discurso, Lula saudou o SUS e comparou a importância do sistema com o novo instrumento de fomento à cultura. "Ninguém que vai poder acabar com a cultura do país ao extinguir o Ministério da Cultura, como ocorreu durante a gestão Bolsonaro", disse o presidente.

O sistema existe desde 2012, mas ainda não estava regulamentado. A medida foi aprovada pelo Congresso em março e, desde então, aguardava o aval do presidente para entrar em vigor. A cerimônia para a sanção do dispositivo ocorreu no Teatro Luiz Mendonça, em Recife, e contou com a presença da ministra da Cultura, Margareth Menezes, e do prefeito da capital pernambucana, João Campos (PSB).

O presidente também saiu em defesa de outro dispositivo de captação para o setor cultural, a Lei Rouanet, alvo frequente de críticas de Jair Bolsonaro e apoiadores do ex-presidente. Lula criticou a ideia de que a Rouanet serve como "desfalque dos cofres do Tesouro para sustentar 'vagabundo'".

"A Lei Rouanet não é favor, a Lei Rouanet não dá dinheiro. A Lei Rouanet aprova um projeto. O artista que teve o projeto aprovado vai ter que correr atrás de dinheiro", disse o petista, que pediu por mais diversidade social nos editais fomentados pela Rouanet. "Se ele for negro e pobre, da periferia, ninguém quer dar dinheiro para ele. As pessoas querem dar dinheiro para outros tipos de artistas."

Para que o sistema de cultura fosse aprovado no Congresso, a base do governo Lula teve de fazer concessões aos setores conservadores do Legislativo. No Senado, a relatora do projeto foi Augusta Brito (PT-CE). A petista aceitou uma emenda de Flávio Bolsonaro (PL-RJ), filho do ex-presidente, para que o financiamento de projetos via SNC obedecesse a critérios como "moralidade pública" e "zelo aos valores religiosos".

"Para fins desta Lei, o pleno exercício dos direitos culturais não deverá possuir caráter político-partidário ou personalista, tampouco afrontar a dignidade e a moralidade pública ou incitar a prática de crimes", diz o texto aprovado pelos congressistas e sancionado na quinta pelo presidente.

Acompanhe tudo sobre:Luiz Inácio Lula da SilvaJair BolsonaroLei RouanetSUS

Mais de Brasil

Pesquisa encontra agrotóxicos em alimentos ultraprocessados com apelo ao público infantil

STF cria marco civilizatório ao proibir exposição de vida sexual de vítima, dizem advogados

Seguradoras irão pagar, no mínimo, R$ 1,6 bilhão em indenizações no Rio Grande do Sul

Governo libera verba extra de R$ 22 milhões para as universidades do RS

Mais na Exame